Bebê nasce com anticorpos contra a Covid-19 em Criciúma

Os pais Brenda Just e Diego Netto comemoram o resultado do exame que detectou a presença de anticorpos para a doença na bebê de pouco mais de duas semanas

A professora Brenda Just e o esposo, o empresário, Diego Netto comemoraram o resultado positivo para a presença de anticorpos da Covid-19 na filha Catarina Just Netto, de um pouco mais de uma semana de vida. O casal de Criciúma realizou um teste rápido em um laboratório em Jacinto Machado, onde mora a mãe de Brenda, que detectou a presença de IGG no sangue da bebê.

“Exame ficou pronto dentro de uma hora. E para nós foii uma alegria, um sentimento muito tranquilizante. Ficamos tranquilos em saber que ela possui esse anticorpo, claro que não sabemos ao certo, acreditamos que ela esteja de certa forma imune, para nós era tudo que queríamos para podermos ficar tranquilos nessa época de pandemia”, conta brenda.

Catarina nasceu no dia 7 de junho deste ano no Hospital São José de Criciúma – Foto: Arquivo Pessoal/NDCatarina nasceu no dia 7 de junho deste ano no Hospital São José de Criciúma – Foto: Arquivo Pessoal/ND

Segundo ela, o casal contraiu a Covid-19 logo no início da pandemia, na época, ela estava grávida e acabou perdendo a criança. Cerca de dois meses, após a perda, ela engravidou novamente.

“Quando começou a vacina e sair algumas matérias, de que os bebês estavam nascendo com anticorpos em alguns casos pela vacina, ficamos com isso na cabeça de ela poder vir com anticorpo. Devido a nossa história do Covid-19 e da vacina”, destaca Brenda que tomou a primeira dose do imunizante contra a Covid-19 em maio deste ano e em agosto irá tomar a segunda dose.

DIVE não irá acompanhar o caso

Segundo a Dive (Diretoria de Vigilância Epidemiológica) de Santa Catarina, o laboratório, onde foi realizado o exame, entrou em contato e foi orientado que tal fato não é de notificação já que é considerado um fenômeno normal e que a Vigilância Epidemiológica do município deveria ser comunicada para conhecimento.

“A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC esclarece que não é de notificação compulsória a presença de anticorpos pós vacinação em pacientes adultos. Assim como, em casos de crianças nascidas com anticorpos”, afirma o comunicado.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica de Criciúma, Dayana Gorges, o tipo de exame realizado pela mãe é diferente do que foi feito no caso de Tubarão, que possui acompanhamento da Dive como um estudo de caso.

“ O bebê de Criciúma foi feito um exame de anticorpos que podem reagir com a infecção materna da mão. O bebê de Tubarão é outra situação, outro tipo de exame que foi feito em mão que não teve Covid-19. São exames diferentes e situações diferentes”, explica. “Esse caso não tem o que acompanhar. Não era caso suspeito de Covid-19. O exame não foi de anticorpos vacinais”, completa.

A coordenadora orienta, ainda, que esse tipo de exame seja realizado, apenas, em caso de a bebê estar com sintomas da Covid-19.

“A vigilância analisa casos, vendo se por acaso se trata de um caso suspeito, se precisa notificar, se precisa acompanhar. A orientação é que sejamos sempre comunicados de situações assim pra podemos acompanhar e verificar a situação”, finaliza.

+

Saúde

Loading...