Cacau Menezes

Apaixonado pela sua cidade, por Santa Catarina, pelo seu país e pela sua profissão. São 45 anos, sete dias por semana, 24 horas por dia dedicados ao jornalismo


Judiada nos últimos dias, Floripa não pode se abalar

Cidade é bela e agradável

Levanta o astral Floripa – Foto: 287E6DFC-DBD2-49E6-8CA3-21DCF636AA9ELevanta o astral Floripa – Foto: 287E6DFC-DBD2-49E6-8CA3-21DCF636AA9E

Uma cidade vaidosa
É mais fácil chegar  pelo ar ou pelo mar. Se você vier por terra,  encontrará duas tímidas placas na BR 101, ao norte e ao sul. Florianópolis dos índios Carijós, ou Floripa,  como Nova York da tribo Manhattan. Uma lá e outra cá.
Vamos ao que se conheçe por cima.  Em 1922, Hercílio Luz, começa a construção da ponte. No ano seguinte, faz o campo de pouso da Ressacada, nosso aeroporto definitivo. E pelo mar, vinha como um titanic o famoso e disputado navio de Carl Hoepcke, trazendo ou levando a bordo   passageiros elegantes –  eles de ternos brancos e chapéus, elas de vestidos longos e saltos altos. Floripa-Rio, Rio Floripa, sete dias de viagem.   “Um pedacinho de terra perdido no mar. Jamais a Natureza, reuniu tanta beleza, jamais algum poeta, teve tanto pra cantar” . Escreveu Claudio  Alvim Barboza, o nosso poeta Zininho.  Em 1976, Gilberto Gil e os Doces Bárbaros colocam a Ilha no cenário nacional. A prisão de Gil e o show sob autorização do juíz Ernani Palma Ribeiro, no Clube Doze de Agosto, são momentos que a cidade não esquece.  Depois do show, Gil voltou para a prisão. E a imagem de Floripa junto aos mais jovens e aos mais abertos só foi se recuperar com a “Novembrada” (estudantes protestam e chamam para a briga em praça pública o general João Batista  Figueiredo, então o presidente da República), o  homem da Abertura e da Anistia. Coeçavams a falar de poltica na eecola, bares, praias. E o sinal está fechado pra nós que somos jovens…, cantava Elis Regina.  Em 1986, pelo mar da Joaquina, Floripa se abre e é assunto mundial. O surf revela a Ilha. E a Ilha revela pessoas na era pré digital. Lá estávamos; os cariocas do Sul de sunga, tanga e fio-dental.
A cidade é vaidosa, cultura da praia e do corpo, povo gosta de se exibir, seduzir, dizer que sabe, foi e pode. E assim Luiz Henrique Rosa, o nosso João Gilberto, trouxe Liza Minelli para uma semana de descanso, romance e lembranças em Sambaqui. Os dois se conheceram em Nova York, num elevador. Luiz Henrique com a turma carioca da bossa- nova. Liza com toda a fama de celebridade  nascida em berço de ouro e com um Oscar em casa. Assistiu as escolas de samba em cima do caminhão da então TV Cultura, hoje a nossa NDTV.

E assim fomos crescendo, aparecendo, recebendo. Cidade mais querida do Brasil, passou também a ser conhecida internacionalmente com as conquistas de um manezinho, Gustavo Kuerten, o Guga,    que jogava um tênis abusado e que conseguiu ser proclamado o Rei de Paris, por ter vencido três  vezes Rolland Garros. Mora aqui, anda por todos os lugares e pode ser visto na temporada na Praia Brava, onde também outra cara conhecida no mundo diariamente dá o ar da sua graça, a top model Alessandra Ambrósio, e dependendp do dia,  pode esbarrar com Isabeli Fontana e  Fernanda Motta.

Floripa perdeu a timidez e a vergonha  e correu para o abraço. Beach clubs de Jurerê Internacional atraem os vips do Brasil e do mundo. Ilha do Campeche é um espetáculo.  Tinguá é congestionada com barcos e festas al mare. Bares, restaurantes, hotéis, ilhas, costões, praias paradisíacas, sossegadas e agitadas, ora podemos estar em Saint Tropez, ora em Fernando de Noronha. Rede hoteleira bombando,  marinas, shoppings ,arquitetura preservada, novos e modernos empreendimentos, povo bem humorado, mulheres acima da média, aliás, para o jornal inglês “The Sun”, as mais belas  do mundo.
Férias é isso: amizade, shows, gastronomia, pesca, trilhas, esportes náuticos,  baladas todas as tardes e noites,  mansões iluminadas, iates de luxo, jogadores de futebol, o mais bonito aeroporto  do Brasil e todos os sotaques e idiomas querendo um manezinho ou uma manezinho para guia turístico. Peixinho frito nas Palmeiras, capirinha em Itaguaçú, ostras  no Ribeirão da Ilha, beautiful people na Praia Mole, surfistas na Joaca, skatistas (Pedro Barros é nativo do Campeche),  Costão Golfe, Lagoa da Conceição, Matadeiro, hippies no Pântano do Sul   e  samba nos morros. Lá vem o Brasil descendo a ladeira.
Pense numa cidade feliz, com tudo de bom, inclusive as frutas, as ofertas, as praias, as festas, os preços, os nativos, a música, a culinária o por do sol, o povo, a noite de lua cheia??
Achou, é a própria! Entre Buenos Aires e o Rio, Floripa te espera!.