Pais presentes compartilham experiências na educação dos filhos

Homens aceitam os desafios da criação e acompanham seus filhos durante o desenvolvimento

Pais que assumem as responsabilidades que vêm com o nascimento ou adoção de uma criança. Eles se desafiam a estar presentes na vida dos filhos. Acolhimento, cuidado, incentivo e aprendizado rodeiam os desafios assumidos por essas pessoas durante a criação.

Pais enfrentam os desafios de estar presente na criação dos filhos – Foto: Pixabay/ Divulgação/ NDPais enfrentam os desafios de estar presente na criação dos filhos – Foto: Pixabay/ Divulgação/ ND

Para homenagear o Dia dos Pais, a NDTV buscou histórias pouco convencionais deste tipo de relação. Os entrevistados têm características únicas, mas a busca por conhecimento e adaptação aos filhos é uma realidade comum entre todos.

Estudo é o caminho apontado para os pais pela psicóloga Kátia Teichmann. Ela sugere que os eles conheçam temas como o Desenvolvimento Infantil, a Disciplina Positiva e a Comunicação Não Violenta.

O psicólogo Paulo Pimont Berndt explica que os homens são capazes de desenvolver habilidades de acolhimento, cuidado e nutrição. “Assim como as funções paternas de encorajar, de enviar os filhos a avançar e assumir riscos mesmo que possam se  machucar”, completa.

Conhecimento compartilhado

O projeto Pai Paterno foi criado por Thiago para compartilhar experiências – Foto: NDTV/ Divulgação/ NDO projeto Pai Paterno foi criado por Thiago para compartilhar experiências – Foto: NDTV/ Divulgação/ ND

“O que está acontecendo?” Esta foi a pergunta que Thiago Koch Monteiro fez para si mesmo quando nasceu sua filha, a Iara. O questionamento deu origem ao projeto Homem Paterno, que oferece suporte e orientação para homens, com foco na gestação, parto e puerpério.

Thiago conta que o seu principal incentivo para criar o grupo foi a participação em uma roda de conversa de homens. “Eles estavam ali, dispostos a se vulnerabilizar e falar sobre as suas dores. Aquilo para mim foi muito impactante, eu nunca tinha vivenciado nem com os meus melhores amigos ou familiares”.

Marcus criou a Faculdade do Papai e compartilha o que sabe sobre a Disciplina Positiva – Foto: NDTV/ DivulgaçãoMarcus criou a Faculdade do Papai e compartilha o que sabe sobre a Disciplina Positiva – Foto: NDTV/ Divulgação

Marcus Vinicius Simas também fez do conhecimento um caminho para educar a filha. Ele buscava uma forma de se comunicar com Cecília, que na época tinha menos de um ano.

Na internet, ele encontrou o método Disciplina Positiva e, a partir dele, abriu a Faculdade do Papai. Hoje ele oferece apoio à outros homens e usa sua experiência com Cecília para educar o filho recém nascido, Matías.

“Eu acho que o maior desafio é a gente se descobrir e se desenvolver para poder desenvolver uma criança. Por que a criança é um Pen-drive vazio, tudo depende da informação que a gente vai colocar nela”, reflete.

Cinco filhos de Francisco

Homem e solteiro, Francisco Luís Koch sabia desde a adolescência que gostaria de ser pai . Ele descobriu a adoção solo quando tinha 23 anos. Os filhos logo começaram a chegar para contribuir na realização do sonho de formar uma família.

Francisco cuida sozinho dos seus cinco filhos – Foto: NDTV/ DivulgaçãoFrancisco cuida sozinho dos seus cinco filhos – Foto: NDTV/ Divulgação

Os dois mais velhos, Cristiano e Cristiny, chegaram em 2012. Na época as crianças tinham 14 e 9 anos, respectivamente. Por ser uma adoção monoparental, tardia e com crianças que recentemente haviam sido devolvidas por outra família, a adoção demandou inovação no judiciário.

Os filhos cresceram e, quando estava tudo tranquilo, Francisco foi chamado novamente para adotar. Quem chegou para a família desta vez foram os trigêmeos Andriw, Mayra e Iago. Eles foram adotados em 2019.

Francisco diz que, no processo de adoção, a paciência vem antes do amor. Ele também afirma que sentimento é construído com o tempo e “quando a gente vê, a gente já ama”.

O pai solo reforça que o nível de cobrança que recebe da sociedade é menor do que aquele recebido pelas mães. “Se eu decidir que vou sair um dia para uma balada, vai ter uma fila de gente querendo ficar com os meus filhos. Se uma mãe solteira decidir fazer isso as pessoas vão jogar pedra nela”.

Os filhos declaram seu amor por Francisco através de palavras e desenhos – Foto: NDTV/ DivulgaçãoOs filhos declaram seu amor por Francisco através de palavras e desenhos – Foto: NDTV/ Divulgação

Os filhos mais agradecem à Francisco pelo cuidado, seja usando palavras ou desenhos. Cristiano diz que o pai merece coisas boas e se diz feliz pela família que construíram. “É alguém para se espelhar de verdade e uma pessoa que eu admiro, sempre penso nele”, completa Cristiny.

Pais presentes

Miguel tinha dois anos quando os pais decidiram se separar. Neste momento, a certeza dos genitores era sobre querer ver o menino bem. “Ela chegou pra mim e disse: eu queria que ele ficasse aqui e recebesse o carinho dos teus pais e de ti, quero que ele seja um cara que nem tu”, contou o Álvaro Javier Viegas Del Rio, sobre o processo de separação.

Álvaro precisou se adaptar para poder lidar com a rotina de ser pai, trabalhar e estudar – Foto: NDTV/ DivulgaçãoÁlvaro precisou se adaptar para poder lidar com a rotina de ser pai, trabalhar e estudar – Foto: NDTV/ Divulgação

Álvaro precisou dividir a rotina entre as obrigações como pai, o trabalho e o estudo. Para conseguir lidar com as obrigações ele precisou de suporte extra e voltou com o filho para a casa dos pais. Hoje Álvaro e Miguel recebem apoio da tia e dos avós, com quem dividem o lar.

“Eu tive que aprender, como todo pai também têm que se adaptar à isso, para cuidar das necessidades do filho. Mas foi uma coisa muito prazerosa. Quando a gente decidiu que o Miguel ficaria comigo, para mim, foi uma felicidade tremenda”, explica Álvaro.

Caminhar na praia, estudar, andar de bicicleta ou patinete são algumas das atividades feitas entre pai e filho. O pequeno é um artista e têm diversos desenhos espalhados pelas paredes da casa. A mãe continua participando da vida deles e visita a família sempre que pode.

Daniel Colombelli e Gabriel também são pai e filho e vivem juntos desde a separação dos pais, que aconteceu quando o menino era pequeno. Gabriel tem 16 anos e divide a semana em partes iguais, entre a casa da mãe e do pai.

Além de pai e filho, Daniel e Gabriel são melhores amigos – Foto: NDTV/ DivulgaçãoAlém de pai e filho, Daniel e Gabriel são melhores amigos – Foto: NDTV/ Divulgação

“Meu pai sempre esta topando tudo, nunca deixou de fazer nada comigo. Toda a viagem que tem ele vai e sempre esta à disposição para mim. Meu parceirão, meu melhor amigo”.

Daniel comenta que tem muitas amigas que são mães solos e entende as dificuldades que existem neste tipo de criação. “Eles [os pais distantes] perdem uma oportunidade de ouro. Eles não sabem o que é o bom da vida, poder conhecer e estar perto do filho”.

Um livro sobre paternidade

A experiência do jornalista Paulo Scarduelli como pai solo virou livro. “Mais aprendi que ensinei” foi lançado em 2020 e, neste espaço, o autor conta os desafios vividos com os filhos desde a separação dos genitores.

‘Mais aprendi que ensinei’ narra a experiência de Paulo como pai solo – Foto: NDTV/ Divulgação‘Mais aprendi que ensinei’ narra a experiência de Paulo como pai solo – Foto: NDTV/ Divulgação

Sara, a primeira filha de Paulo, chegou em 2001. Depois nasceram também Davi e a Catarina. Quando os pais decidiram seguir caminhos diferente, o jornalista ficou em Florianópolis e as crianças foram viver com a mãe no Rio Grande do Sul.

Paulo viajava para visitar os filhos a cada 15 dias, eram mais de 700 km até o Estado gaúcho. Em 2010 as crianças voltaram para Florianópolis e passaram a viver com o jornalista, que há 11 anos enfrenta os desafios de ser um pai solo.

Loading...