Pioneira de São José do Cedro completa 103 anos de vida

Devido à pandemia, a festa que tradicionalmente reúne os familiares não poderá ser realizada para comemorar a data

Umas das colonizadoras do município de São José do Cedro, no Extremo-Oeste do Estado, completa nesta quarta-feira (2) seus 103 anos de vida. Elma Ely Wolfart, natural do Rio Grande do Sul, mora há 66 anos no município, antes mesmo da emancipação. As informações são do Portal Peperi.

Elma Ely Wolfart, – Foto: Peperi/Reprodução

Neste ano, devido à pandemia, a festa que reúne os familiares não poderá ser realizada para comemorar a data. Para ela, a fórmula para viver tanto tempo e com qualidade de vida se resume a uma vida simples, de trabalho, fé em Deus, amor à família e também ao próximo. Sem problemas de saúde, ela não abriu mão de uma cervejinha na comemoração.

Elma Ely nasceu em 1917, na comunidade de Poço das Antas, Município de Montenegro, no Estado do Rio Grande do Sul, filha de Pedro Elli e Josefina Hummes. Durante a infância ela estudou até a quarta série, sendo todo o ensino em alemão.

No dia 21 de julho de 1933, na mesma comunidade, se casou com Alfredo Theobaldo Wolfart. Naquele município moraram por alguns anos e lá tiveram seis filhos: Olívio, Arno, Célia, Euzébio, Lúcia e Erno.

Pioneira de São José do Cedro completa 103 anos de vida – Foto: Peperi/Reprodução

Em busca de melhores oportunidades, no ano de 1948, transferiram a casa para Guaraciaba, também no Extremo-Oeste, onde trabalhavam na roça e tinham um salão de baile, que também era bar e uma sorveteria.

No ano de 1954 se mudaram para São José do Cedro e passaram a morar na Linha São Domingos, onde exploraram a atividade madeireira, por meio de uma empresa de beneficiamento de madeira, movida a energia elétrica produzida por uma turbina instalada no Rio Cedro. 

Em 1973, passaram a residir na sede do Município onde Elma Wolfart mora até os dias de hoje. Ela é viúva, tem 15 netos, 26 bisnetos e oito tataranetos.

+

Bem-estar