Projeto social abre 480 vagas para formação de programadoras

A presença feminina na área de tecnologia da informação aumentou significativamente. Aos poucos, elas estão conquistando espaço em um setor que é amplamente dominado pelo público masculino. Com o objetivo de reduzir ainda mais a diferença de gênero na área e mostrar que tecnologia também é lugar de mulher, a {reprograma} anuncia a abertura de 480 vagas para formação de programadoras. As oficinas fazem parte do programa Todas em Tech.

Lançado em janeiro de 2021, o Todas em Tech tem como objetivo impactar 2.400 mulheres em situação de vulnerabilidade até dezembro de 2022. E mais: a ideia é destinar, no mínimo, 55% das vagas para mulheres negras e cerca de 5%, para mulheres trans e travestis. O programa foi desenvolvido pela {reprograma} em parceria com o Laboratório de Inovação do Grupo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID Lab). O projeto também conta com o apoio de Accenture, Creditas, Easynvest, Facebook, iFood e Nubank.

Leia mais:
“Precisamos de iniciativas para melhorar a presença feminina no mercado digital”, diz COO da Gama Academy
Igualdade de gênero: Série retrata luta das mulheres no ramo da tecnologia

Etapas do programa

As interessadas em se tornarem programadoras devem se inscrever no site do Todas em Tech até 16 de julho. Na seleção, é necessário enviar um vídeo de até um minuto de duração. As mulheres trans e travestis que não se sentirem confortáveis com a gravação podem mandar áudios. Serão selecionadas 480 mulheres para participarem de oficinas com duração de um dia. Os encontros são virtuais e vão acontecer na segunda quinzena de julho.

As oficinas têm como objetivo apresentar o universo de programação e desenvolvimento. Nas aulas de front-end, por exemplo, as alunas terão uma introdução sobre HTML e CSS. Já nas de back-end, elas terão acesso à lógica de programação e JavaScript.

Após as oficinas, serão selecionadas 80 mulheres para as segundas turmas do programa, sendo 40 para back-end e 40 para front-end. O objetivo final em ambos os cursos é permitir que as alunas produzam uma página pessoal para enviarem a recrutadores ou clientes, que visa estimular a entrada delas no mercado de tecnologia. Esta etapa também é virtual. Ela ocorrerá em agosto e terá duração de 18 semanas.

Quer fazer trabalho voluntário? Clique aqui e encontre um com a sua cara

Mercado de trabalho para programadoras

Após a finalização dos cursos, a {reprograma} vai conectar as programadoras à área de tecnologia, para que elas possam atuar em grandes empresas do mercado. Essas companhias são parceiras do Todas em Tech. O contato das alunas será realizado por meio de uma plataforma, que liga as profissionais aos empregadores – serviço que será lançado no segundo semestre. Elas ainda terão auxílio na montagem de currículo e portfólio.

Loading...