Biguaçu esclarece vacinação de profissionais de clínica privada

Declaração de servidora feita em reunião da Dive/SC levantou suspeitas sobre processo de vacinação; 44 profissionais que atuam na rede privada foram imunizados

A Secretaria de Saúde do município de Biguaçu, na Grande Florianópolis, emitiu nota para esclarecer a declaração de que estaria vacinando profissionais de uma clínica médica privada, em desacordo com o Plano de Vacinação.

Biguaçu emitiu nota para esclarecer declaração de que estaria vacinando profissionais de uma clínica médica privada  – Foto: CRISTIANO ESTRELA//DIVULGAÇÃO/NDBiguaçu emitiu nota para esclarecer declaração de que estaria vacinando profissionais de uma clínica médica privada  – Foto: CRISTIANO ESTRELA//DIVULGAÇÃO/ND

A declaração foi realizada durante uma reunião da Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica) na tarde desta quarta-feira (27).

No encontro, uma servidora relatou que a falta de controle sobre a vacinação tem facilitado irregularidades, como a ação dos fura-filas.

Segundo a profissional de saúde, que atua no Estado, irregularidades estariam ocorrendo não só em Biguaçu, com a vacinação de pessoas que, apesar de integrarem os quadros da saúde, não estão atuando na linha de frente. Ao ND+ ela disse que outros casos semelhantes já tinham sido averiguados.

Neste mesmo dia, Biguaçu informou que iniciou a vacinação da rede privada com a aplicação de doses em 44 profissionais que atuam em uma clínica médica privada do município.

Após as declarações da profissional na reunião, a Secretaria de Saúde de Biguaçu interrompeu a vacinação na clínica privada.

Segundo o secretário de Saúde do município, Bruno Célio da Silva, os vacinados são profissionais da Saúde, e, portanto, estão entre os prioritários, mas de qualquer forma o município ainda está averiguando as informações.

“Em um primeiro momento não foi constatada irregularidades”, afirmou o secretário. Até às 16h desta quarta, o município não havia sido notificado pelos órgãos fiscalizadores sobre a situação.

Imunização em clínica médica privada

Sobre a imunização dos profissionais da Saúde que integram o grupo prioritário da primeira fase da campanha, o município diz que vacinou até esta quarta praticamente todos os profissionais que atuam na rede pública.

Para esta quinta-feira (28), está agendada a vacinação do restante dos profissionais, atingindo 100%.

Conforme orientação da Dive/SC, os municípios que já completaram essa etapa podem avançar para a vacinação dos profissionais da saúde que atuam na rede privada.

A Secretaria diz que considerou a reserva das vacinas para atender o restante da rede pública e que o objetivo foi dar celeridade ao processo de vacinação.

Para vacinação dos profissionais, a Saúde informa que a clínica apresentou a relação de nomes comprovando o vínculo com a instituição privada e com a linha de frente, conforme contemplado no Plano de Vacinação.

Segundo a nota, a clínica também teria apresentado o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde.

Vacinas registradas

A nota informa que todas as ações realizadas pelo município foram discutidas e planejadas pela Comissão Permanente de Planejamento de Estratégia de Enfrentamento da Pandemia Covid-19. Da mesma forma, ocorre a Campanha de Vacinação contra a Covid-19, que segue o Plano Nacional de Imunização.

A Secretaria de Saúde de Biguaçu explicou ainda que todas as vacinas aplicadas estão sendo registradas de acordo com as recomendações da CIB (Comissão Intergestores Bipartite de Santa Catarina), bem como do MPSC (Ministério Público de Santa Catarina).

A lista de profissionais vacinados está disponível para consulta dos órgãos fiscalizadores.

“A Secretaria Municipal de Saúde repudia qualquer ação que não seja transparente, que burle filas ou beneficie indivíduos não contemplados nos grupos prioritários. Desta forma, coloca-se à disposição para apresentar aos órgãos de controle quaisquer informações ou documentos solicitados e prestar esclarecimentos que se tornem necessários.”, concluiu a nota.

O que diz o MPSC

A reportagem entrou em contato com o MPSC (Ministério Público de Santa Catarina).

O promotor de Justiça Douglas Martins, coordenador do CDH (Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e Terceiro Setor), representou o Ministério Público na reunião e pediu que as denúncias fossem formalizadas ao órgão.

O MPSC aguarda o recebimento dessas informações de maneira oficial para dar encaminhamento às respectivas Promotorias de Justiça, que são responsáveis pela apuração e avaliação de eventuais irregularidades.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Saúde