Brusque usa drone para combate a focos do mosquito da dengue

Desde janeiro até esta terça (20), a cidade já registrou 947 focos do mosquito; em todo o ano passado, foram pouco mais de mil focos

Para auxiliar no combate aos focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika, Brusque iniciou um movimento com um importante reforço. Agora, um drone vai vistoriar, do alto, locais que os agentes não conseguem chegar.

Batizada de “Vista Aérea no Combate ao Aedes aegypti”, a ação é da secretaria de Saúde, por meio do Programa de Combate a Endemias da Diretoria de Vigilância em Saúde.

A primeira etapa do movimento começou nesta terça-feira (20) – Foto: Prefeitura de Brusque/Secom/DivulgaçãoA primeira etapa do movimento começou nesta terça-feira (20) – Foto: Prefeitura de Brusque/Secom/Divulgação

A primeira etapa do movimento começou nesta terça-feira (20), pelo bairro Primeiro de Maio, e segue até o final de maio. Ao todo, 14 bairros serão vistoriados: Primeiro de Maio, Águas Claras, Bateas, São Pedro, Guarani, Centro II e Limoeiro, Centro I, Poço Fundo, Ponta Russa, Tomaz Coelho, Cedro Alto, Santa Luzia e Cedrinho.

Agilidade

De acordo com a diretora da Vigilância em Saúde, Ariane Fischer, o drone vai agilizar a otimizar o trabalho da equipe do Programa de Combate a Endemias. “Enquanto um agente comunitário consegue realizar entre 25 a 30 visitas ao dia, o drone, em uma hora, poderá mapear até 100 casas”, compara.

Drone vai auxiliar equipe de combate à dengue e identificar possíveis focos do mosquito – Foto: Prefeitura de Brusque/Secom/DivulgaçãoDrone vai auxiliar equipe de combate à dengue e identificar possíveis focos do mosquito – Foto: Prefeitura de Brusque/Secom/Divulgação

Além disso, com o drone é possível alcançar locais em que o morador não recebe o agente de endemias, bem como os imóveis onde não há moradores para permitir o acesso da equipe ao interior dos ambientes para a devida fiscalização. “Identificados os possíveis criadouros, será dado seguimento no trabalho de eliminação e fornecidas as devidas orientações”, completa Fischer.

No segundo semestre, a segunda etapa do movimento deve ser realizada. Ao todo, durante o ano serão 100 horas de voo do drone em Brusque.

Focos no município

Até esta terça-feira (20), Brusque acumulava 974 focos do mosquito dengue, chikungunya e zika, desde janeiro deste ano. O levantamento foi feito pelo Programa de Combate a Endemias.

Os números são altos, comparados com os do ano passado. Durante todo o ano de 2020, Brusque totalizou 1.377 focos positivos do mosquito.

O bairro com mais focos é o Águas Claras, com 87 notificações, seguido por Souza Cruz, com 66, Jardim Maluche, com 65, o Centro, com 64 e Primeiro de Maio, que tem 63 focos identificados.

Quanto aos casos identificados de dengue neste ano, até o momento, eles somam quatro. Todos os casos são autóctones, ou seja, as pessoas adquiriram a doença no próprio município. Há, ainda, dois casos em investigação.

“Precisamos que todo morador faça a sua parte e cuide de sua casa, terreno, imóvel, eliminando qualquer objeto ou material que permita o acúmulo de água, e que assim, possa servir de criadouro para o Aedes aegypti. Só com a união de esforços do poder público com toda a comunidade é que venceremos esta batalha contra a dengue”, finaliza Fischer.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Saúde