Cidades de SC querem garantir mais uma vacina contra a Covid-19

Após oficializar protocolo de intenção de compra da CoronaVac, Fecam se movimenta para firmar parceria e trazer vacina russa para Santa Catarina

Após oficializar o protocolo de intenção de compra da CoronaVac, a Fecam (Federação Catarinense dos Municípios) se movimenta para garantir mais uma vacina contra a Covid-19 em Santa Catarina.

Cidades de SC, através da Fecam, negociam aquisição da vacina russa – Foto: Sputinik Vaccine/Metrópoles/Divulgação/NDCidades de SC, através da Fecam, negociam aquisição da vacina russa – Foto: Sputinik Vaccine/Metrópoles/Divulgação/ND

Trata-se da Sputnik V, vacina contra o coronavírus desenvolvida na Rússia. A vacina apresentou eficácia de 91,4% em sua fase final de estudos.

A negociação da entidade será com o governo do Paraná, que através do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná), firmou acordo com o Instituto Gamaleya, que desenvolve a vacina russa.

Com a parceria, a Fecam busca antecipar e facilitar a aquisição do imunizante pelos municípios de Santa Catarina, caso seja aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Até agora, não há um pedido formal de registro para uso emergencial da vacina no Brasil ou mesmo de autorização para testes junto à Anvisa.

Esta é a mais uma reportagem da série Covid-19 em Dados”, uma iniciativa do ND+ com o patrocínio do Google sobre a pandemia do novo coronavírus. Clique aqui e confira a página especial do projeto com todas as reportagens.

De acordo com o consultor em Saúde da Fecam, Jailson Lima, a ideia é seguir o mesmo processo feito com relação à vacina CoronaVac, desenvolvida em São Paulo pelo Instituto Butantan através de uma parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Encontro na próxima segunda-feira  

Uma comitiva da Fecam viaja para Curitiba (PR) na próxima segunda-feira (21) para dar início às negociações. Está marcada para as 10h uma visita às dependências do Tecpar.

No encontro, a expectativa é que ocorra a assinatura de um contrato de confidencialidade entre a Fecam e o instituto paranaense.

O documento permitirá que a Federação tenha acesso a todas as informações sobre a vacina russa para que, posteriormente, venha a assinar o protocolo de intenção para aquisição do imunizante.

A maior preocupação, de acordo com Lima, é com a quantidade de vacinas que estarão disponíveis aos catarinenses em 2021. Pensando nisso, a Fecam busca mais essa parceria.

Reserva de vacinas

O consultor em saúde da Fecam informou que deve ir a São Paulo nesta quarta-feira (16) para definir os próximos passos da parceria para aquisição da CoronaVac. Deve ser feito o encaminhamento de que sejam reservadas 500 mil doses do imunizante para Santa Catarina.

Ele destaca, contudo, que essa quantidade não deve ser entregue num mesmo dia.  A vacina CoronaVac também só será liberada após registro na Anvisa.

Eficácia da vacina Sputnik V

Na reta final das pesquisas, o resultado de 91,4% de eficácia da Sputnik V foi divulgado nesta segunda-feira (14) pelos cientistas que desenvolveram o imunizante.

Em coletiva de imprensa, Denis Logunov, vice-diretor do laboratório Gamaleya , afirmou que o imunizante “protegeu os voluntários da forma grave da doença em 100% dos casos”.

A pesquisa ainda não foi publicada em revistas científicas, o que significa que as informações ainda não foram revisadas e validadas por outros cientistas.

O laboratório analisou dados de 22.714 voluntários – destes, 78 foram infectados pela Sars-CoV-2. Dos pacientes doentes, 62 faziam parte do grupo de controle, ou seja, tinham recebido um placebo, e não a vacina propriamente dita. Isso, de acordo com os desenvolvedores, comprovaria a vantagem deste imunizante.

Os resultados desta etapa da pesquisa foram os mesmos de fases anteriores, o que indica que a taxa de eficiência do medicamento permaneceu constante. No último dia 24, o laboratório comunicou que havia 39 casos de coronavírus entre os participantes do estudo.

A estimativa é que mais de 200 mil russos já tenham sido imunizados com a vacina Sputnik V. Atualmente, a Rússia passa por uma segunda onda da doença e registra mais de 2,6 milhões de infecções. Com informações da repórter Glaucia Chaves, do Metrópoles. 

+

Saúde