Com mortes e infecções em alta, Chapecó aposta em conscientização

Prefeito Luciano Buligon ressaltou a contenção da doença vai depender das ações de conscientização

O prefeito Luciano Buligon (PSL) afirmou nesta manhã de sexta-feira (27) que a principal medida de prevenção ao contágio ao novo coronavírus ainda se trata da conscientização de uso de máscara e álcool em gel.

Com mortes e infecções em alta, Chapecó aposta em conscientização – Foto: Reprodução/NDCom mortes e infecções em alta, Chapecó aposta em conscientização – Foto: Reprodução/ND

Com o aumento de mortes, infecções e internações em decorrência da Covid-19, o prefeito Buligon diz que teme uma crise no sistema da saúde municipal nos próximos dias. “Estamos chegando perto do colapso nos hospitais particular e público de Chapecó”, afirmou.

De 1º a 27 de novembro, 1.972 novos casos e 12 mortes foram registradas no município. Enquanto no mesmo período em outubro foram 793 registros e seis óbitos. Atualmente 17 médicos estão afastados por conta de contaminação com o vírus.

“Isso é complicado, pois não conseguimos contratar imediatamente um profissional médico. Estamos contratando os recém formados para os ambulatórios de Covid, mas tem um prazo de documentação. Então as pessoas precisam se desdobrar mais para conseguir dar conta”, explicou a diretora técnica da Saúde, Aldarice Pereira da Fonseca.

Eleições 

Buligon reconheceu que durante as eleições houve aumento na circulação de pessoas e relaxamento nos cuidados. “E isso está refletindo hoje”, disse. Mas, apontou a principal causa o descuido coletivo e diário.

“Todos os que procuraram nossos atendimentos e os hospitais foram atendidos neste período, e continuarão, esperamos que sim, mas precisamos de uma retomada de consciência. O assunto é sério e não podemos baixar a guarda”, falou.

De acordo com o gestor do município, todas as medidas necessárias estão sendo tomadas em Chapecó. Buligon destacou que as ações impostas pelo Governo de Santa Catarina, com base na Matriz de Risco, estão sendo cumpridas.

“A Justiça disse para o município de Chapecó que temos que aplicar sim todas essas medidas. Não depende do prefeito, depende das nossas atitudes para mudar essa bandeira vermelha”, destacou Buligon.

Chapecó faz parte da região Oeste de Santa Catarina e se encontra no risco gravíssimo de contagio da Covid-19. No setor do Covid-19 do Hospital Regional do Oeste há 54 pacientes internados, destes 31 em leitos de UTIs e 23 em enfermaria.

Restrições e atividades liberadas conforme o nível gravíssimo 

  •  Cinemas, teatros, casas noturnas, museus, assim como eventos, shows e espetáculos estão suspensos.
  •  Aulas presenciais estão proibidas. Liberadas apenas atividades de reforço pedagógico.
  •  Hotéis, pousadas e albergues têm limite de 30% na capacidade.
  •  Academias de ginástica só podem funcionar com 30% da capacidade.
  •  Templos religiosos só podem funcionar com capacidade limitada a 30%.
  •  Proibida a permanência de pessoas em espaços públicos de uso coletivo, como parques e praças, com exceção da prática de esportes individuais.
  •  Eventos sociais como casamentos, aniversários, jantares, confraternizações, bodas, formaturas, batizados e festas infantis estão proibidos.
  •  Eventos controlados como palestras, seminários e conferências estão proibidos.
  •  Feiras e exposições estão proibidas.
  •  Parques aquáticos e complexos de águas termais estão proibidos de funcionar.
  •  Provas de roupas em lojas de vestuário estão liberadas.
  • Jogos coletivos estão proibidos para o risco potencial gravíssimo.
  •  Bares, restaurantes, cafeterias, pizzarias, lanchonetes e confeitarias podem funcionar seguindo o protocolo sanitário específico da portaria nº 256/2020.
  • Casas noturnas, boates, pubs, casas de show e afins estão proibidos de funcionar.
  •  Cursos livres devem seguir protocolo sanitário específico da portaria nº 352/2020.

Serviços

Em Chapecó, 17.363 pacientes foram atendidos nos dois Ambulatórios de Campanha desde o início dos serviços. Nessa quinta-feira, no bairro Efapi, foram 192 adultos e seis crianças. No Centro, ao lado da Arena Condá, foram 123 adultos e seis crianças.

A UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Chapecó, localizada no bairro Presidente Médici, conta com um setor específico para atendimento de pacientes assintomáticos.

Já a Vigilância Sanitária — responsável por fiscalizações junto à Polícia Militar e a Guarda Municipal — nos últimos dias observou um aumento no número de denúncias de descumprimentos, principalmente de casas noturnas.

“Elas são multadas e são atuadas com um processo administrativo. Muitos bares são fechados em função disso. Os reincidentes são encaminhados em processos para a polícia e para o Ministério Público”, completou Aldarice.

Acesse e receba notícias de Chapecó e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Saúde