Coronavac pode ser aplicada no Brasil mesmo sem aval da Anvisa, afirma Doria

Segundo governador de São Paulo, se a vacina for chancelada por agências de outros países, aprovação da Anvisa torna-se dispensável

Em entrevista exclusiva ao Metrópoles, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que a Coronavac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, pode ser aplicada na população sem a aprovação formal da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

João Dória disse estar convencido que quem ganha a prefeitura de São Paulo é Bruno Covas – Foto: Twitter/Reprodução/NDJoão Dória disse estar convencido que quem ganha a prefeitura de São Paulo é Bruno Covas – Foto: Twitter/Reprodução/ND

“Os critérios que a Anvisa tem são os mesmos de outras agências de vigilância sanitária que também estão avaliando a vacina Coronavac nos Estados Unidos, na Europa, sobretudo na Ásia. Se essas agências validarem a vacina, ela estará validada independentemente da própria Anvisa”, disse Doria à jornalista Rachel Sheherazade.

Doria adiantou ao portal que testes com 50 mil voluntários chineses demonstraram uma eficácia do imunizante de 95,7%. A previsão é que os resultados sejam divulgados na primeira semana de dezembro.

De olho em 2022, Doria defendeu a formação de uma frente ampla contra o que chamou de “extremismos, tanto de direita quanto de esquerda”. O governador de SP teceu elogios ao ex-ministro Sergio Moro e ao apresentador Luciano Huck, dois personagens com quem tem conversado sobre possíveis alianças para as próximas eleições.

Ao ser questionado se abriria mão de ser candidato à Presidência da República para ser vice de Moro ou Huck, o governador de SP afirmou que a hora é inadequada para esse debate.

João Doria disse estar convencido de que Bruno Covas (PSDB) será reeleito para a prefeitura da capital do estado e chamou Guilherme Boulos (Psol) de “extremista”.

Ao longo da entrevista, Doria deu detalhes sobre os planos de distribuição da Coronavac em São Paulo, condenou a postura do Ministério da Saúde diante do desafio logístico de vacinar a população brasileira e reforçou seu rosário de críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Confira a entrevista completa:

+

Saúde