Cresce suspeita de elo entre hepatite ‘misteriosa’ e Covid-19 e casos em SC apresentam melhora

Hipótese da relação foi levantada inicialmente por autoridades de saúde do Reino Unido; até o momento, SC registrou três casos suspeitos da doença

Um tipo misterioso de hepatite aguda tem despertado a atenção de autoridades de saúde de diferentes países do mundo ao longo das últimas semanas. A doença não é ocasionada por nenhum dos vírus conhecidos da hepatite (A, B, C, D e E) e pode ter entre as suas causas uma relação ainda não esclarecida entre a Covid-19 e um tipo de adenovírus.

Cresce suspeita de elo entre hepatite ‘misteriosa’ e Covid-19 e casos em SC apresentam melhora – Foto: Pexels/Reprodução/NDCresce suspeita de elo entre hepatite ‘misteriosa’ e Covid-19 e casos em SC apresentam melhora – Foto: Pexels/Reprodução/ND

Até o momento, Santa Catarina registrou três casos suspeitos da hepatite de origem misteriosa. Os pacientes evoluíram com melhora da função hepática, segundo informou a Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica) nesta segunda-feira (23).

Como ainda não se sabe o agente causador da doença, todos os casos seguem em investigação.

A SES (Secretaria de Estado da Saúde) continua monitorando os casos e atualizando as definições e os exames necessários para a exclusão de outros diagnósticos.

O Ministério da Saúde criou uma sala de situação para monitorar 41 eventos suspeitos de hepatite aguda de origem desconhecida registrados até agora em território nacional.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) registrou até esta semana 348 casos da doença. A maioria das crianças apresentou sintomas gastrointestinais, icterícia e, em alguns casos, falência aguda do fígado e um quadro que acabou levando à morte.

Elo entre vírus de hepatite e Covid-19

A primeira hipótese de que a hepatite aguda possa ser causada por uma relação entre a Covid-19 e um tipo de adenovírus foi levantada por autoridades de saúde do Reino Unido. Lá, os primeiros casos foram registrados e tratava-se de uma hepatite causada por um adenovírus.

Estudos mostraram que até 70% dos doentes testaram positivo para o adenovírus 41F. Ele afeta mais crianças, jovens e pessoas imunossuprimidas. Provoca resfriado ou problemas intestinais.

“Inicialmente achou-se que o adenovírus seria a causa das hepatites agudas, mas o fato é que ele não aparecia em todos os casos”, explicou o infectologista Marcelo Simão, da Universidade Federal de Uberlândia, em Minas. “Em muitas crianças que apresentaram quadros graves não foi possível isolar o vírus; e em algumas na qual foi feito um transplante não se achou o vírus no fígado retirado.”

Covid-19 antes da hepatite

Especialistas notaram também que muitas crianças tinham tido Covid-19 antes da hepatite aguda. Um estudo publicado na Lancet na semana passada propôs, então, nova hipótese.

Segundo o trabalho, uma combinação entre as duas infecções estaria provocando a doença hepática aguda.Partículas remanescentes do Sars-CoV-2 no trato intestinal das crianças estariam servindo de gatilho para uma reação exagerada no sistema imunológico a uma infecção posterior pelo adenovírus 41F.

A proteína spike do coronavírus é considerada um superantígeno. Ela torna o sistema imunológico mais sensível. Assim, potencializaria o efeito do adenovírus 41F. Normalmente, esse vírus não provoca problemas mais graves.

A reação seria similar à provocada na Síndrome Inflamatória Multissistêmica. Essa condição foi identificada em crianças com covid longa.

Nesses casos, há uma ativação anormal do sistema imunológico por causa do superantígeno. Ele desencadeia uma reação autoimune extremamente inflamatória. Uma eventual exposição posterior a um adenovírus poderia provocar uma reação ainda mais forte do organismo. É o que pode estar acontecendo nos casos de hepatite aguda.

“A hipótese mais aceita atualmente é de que essa hepatite está sendo provocada por uma reação imunológica exagerada causada pela combinação desses dois vírus que acaba por agredir o fígado”, disse Simão, cujo nome integra a lista da Universidade de Stanford, nos EUA, dos cientistas mais influentes do mundo. “Por que o fígado? Ainda não sabemos.”

Variação

Outra questão ainda não esclarecida, segundo Simão, é por que os casos de hepatite aguda só começaram a ser notados agora, dois anos depois do início da pandemia. Uma explicação possível estaria relacionada à variante do Sars-CoV-2 atualmente em circulação.

Para o presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal, José David Urbaez Brito, a hipótese da combinação dos dois vírus é, atualmente, a mais provável para explicar os casos de hepatite aguda em crianças, embora ainda não esteja fechada.

“O que acontece de diferente neste momento atual da nossa vida é que estamos sofrendo a modulação contínua de uma pandemia”, disse Brito. “Somos bombardeados minuto a minuto por um agente infeccioso circulando em uma magnitude gigantesca; qualquer coisa nova que apareça pode ter relação com isso.”

Dados da OMS e de estudos feitos em Israel, Estados Unidos e Índia reforçam a hipótese. O trabalho israelense, coordenado por Yael Mozer Glassberg, do Centro Médico Infantil Schneider, mostrou que 11 de 12 crianças que tiveram a hepatite tinham tido Covid-19. Nenhuma delas, porém, testou positivo para o adenovírus.

A OMS Europa apontou em um relatório divulgado neste mês que até 70% das crianças com menos de 16 anos que desenvolveram a hepatite aguda tiveram diagnóstico de Covid-19 anteriormente.

Além disso, explicaram especialistas, outras crianças podem ter tido a doença de forma branda ou mesmo assintomática; ou seja, sem um diagnóstico oficial.

Um trabalho feito nos Estados Unidos e publicado em Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition analisou o caso de uma menina de 3 anos. A garota apresentou falência hepática alguns dias depois de se recuperar de uma Covid branda.

“As descobertas da biópsia do fígado e de exames de sangue da paciente são compatíveis com um tipo de hepatite autoimune que pode ter sido deflagrada pela covid”, explicou a pediatra Anna Peters, gastroenterologista do Centro Médico do Hospital de Crianças de Cincinnati, nos EUA, responsável pelo estudo, ao comentar o trabalho.

Segundo a especialista, é impossível provar a existência de um vínculo direto entre a Covid e a doença hepática. Mas, o vírus pode ter deflagrado uma resposta imune anormal. Ela seria geradora do ataque ao fígado.

A ligação entre os casos de hepatite aguda e a vacina contra a Covid, no entanto, foi totalmente descartada.

Não há relação direta entre a vacinação e a hepatite. Além disso, a maioria das crianças que apresentaram o quadro agudo de hepatite tinha menos de 5 anos. Ou seja, elas não haviam sido imunizadas contra a Covid.

Relembre os casos em SC

No dia 6 de maio o primeiro caso suspeito de hepatite “misteriosa” foi notificado em Itajaí, Litoral Norte de Santa Catarina. A menina de 7 anos estava internada no Hospital Infantil Pequeno Anjo e foi liberada no dia 9.

O segundo caso foi notificado apenas três dias depois (9). O registro é de um adolescente de 16 anos, de Balneário Camboriú, também no Litoral Norte do Estado.

O adolescente não precisou ser internado e está sendo acompanhado em casa pela vigilância epidemiológica estadual e municipal.

O terceiro caso foi notificado no dia 12 de maio e divulgado pela Dive/SC no dia 13. A suspeita é de uma criança de três anos moradora de São José, na Grande Florianópolis, que está internada em um hospital da Capital.

Os sintomas começaram em abril e os exames para hepatite A, B e C deram negativo.

*Com informações do jornal O Estado de São Paulo.

+

Saúde

Loading...