Sabrina Aguiar

sabrina.aguiar@ndtv.com.br Coluna sobre os assuntos de Joinville e região. A economia, segurança pública, política e todos outros fatos por quem vive e pensa sobre as cidades.


Crianças estão se vacinando menos; Sociedade Brasileira de Imunizações faz alerta

Sociedade Brasileira de Imunizações alerta sobre perigo de notícias falsas contra vacinas

Os números não mente. Crianças e adolescentes estão se vacinando menos no Brasil, é o que apontam dados divulgados pelo Ministério da Saúde.

Algumas imunizações chamam mais atenção do que outras, como é o caso da BCG, que teve queda de 30% na cobertura. Esse imunizante protege contra a tuberculose. Já a vacina contra a poliomelite teve redução superior a 20%. As porcentagens levam como referência os resultados de 2015.

Durante a pandemia de Covid-19, todos podemos observar a ascensão de grupos anti-vacinas no mundo inteiro. No nosso país isso não foi diferente. Mesmo com uma cultura vacinal estabelecida, a disseminação de notícias falsas pode confundir pessoas menos esclarecidas.

Vacinação entre os mais jovens apresenta queda Fotos: Myke Sena/MS – Foto: Myke Sena/MS/Divulgação/NDVacinação entre os mais jovens apresenta queda Fotos: Myke Sena/MS – Foto: Myke Sena/MS/Divulgação/ND

Mas não é um fenômeno que surgiu durante o isolamento social, segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações há cerca de 20 anos movimentos contrários a vacinação vem aparecendo e deturpando fatos científicos.

Paulo André Ribeiro, pediatra de Joinville e membro da sociedade, afirma que a comunidade médica fica “bastante preocupada, já que no passado alguns trabalhos científicos, de forma errada, tentaram associar a vacina do sarampo com autismo. O pesquisador que divulgou esse estudo acabou perdendo a licença médica depois”.

A principal consequência da queda da imunização em curto prazo seria o aparecimento de doenças que não existiam mais; em longo prazo seria a imunidade de rebanho se perdendo.

Adolescentes recebem proteção contra a Covid-19 – Foto: Lanume Weiss/Prefeitura de BC/DivulgaçãoAdolescentes recebem proteção contra a Covid-19 – Foto: Lanume Weiss/Prefeitura de BC/Divulgação

O médico afirma que três coisas salvaram a população ao longo da história – primeiro a limpeza da água, segundo a descoberta do antibiótico e, por fim, a criação das vacinas. Essa é uma das maiores estratégias de combate às doenças infecto-contagiosas.

“A vacina é vítima do próprio sucesso. Ela tem efeitos colaterais, como qualquer medicamento, mas traz benefícios inigualáveis”, conta Paulo André Ribeiro.

Na visão do especialista, as pessoas não veem mais a doença e começam a achar que não existe mais. Além disso, há uma relutância entre os adolescentes, justamente porque eles nasceram em um tempo sem essas ameaças.

Vacinação da Covid-19

A Sociedade Brasileira de Imunizações alerta ainda sobre a cobertura vacinal em adolescentes.

A medida que a população adulta vai sendo imunizada, a ocorrência de casos vai se desviar para a faixa etária que, até então, era menos acometida – neste caso crianças e adolescentes.

O médico pediatra afirma que muitos pais chegam ao consultório com dúvidas sobre a vacinação para os filhos, mas não é preciso ter medo.  As doses da Pfizer, que estão sendo aplicadas nos adolescentes, são aprovadas e regulamentas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Joinville tem dia D de vacinação neste sábado

Assim como outras cidades do país, Joinville também terá o Dia D da Campanha Nacional de Multivacinação neste sábado (16).

Mutirão para vacinar crianças e adolescentes – Foto: Arquivo/Agência BrasilMutirão para vacinar crianças e adolescentes – Foto: Arquivo/Agência Brasil

A Secretaria Municipal da Saúde tem a meta de regularizar o calendário de outras vacinas, como BCG, hepatite e varicela para crianças e adolescentes com até 15 anos de idade.

O atendimento será realizado em três Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs), localizadas em diferentes regiões da cidade: na UBSF Jarivatuba (rua Monsenhor Gercino, 5484), na UBSF Costa e Silva (rua Comandante Telles de Mendonça, 65) e na UBSF Comasa (rua Ponte Serrada, 34), das 8h às 17h.

Para completar o calendário vacinal é necessário comparecer à unidade levando a carteira de vacinação e documento de identificação. As demais UBSFs também possuem o serviço de vacinação em seus horários normais de atendimento, de segunda a sexta-feira. A lista completa pode ser consultada no site da Prefeitura de Joinville (bit.ly/ubsfjlle).

*Mikael Melo cobre interinamente a coluna de Sabrina Aguiar

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...