Diabetes, osteoporose e hipertensão NÃO impedem tratamento com implantes dentários

Com avaliação prévia e controle rigoroso da doença, procedimento é considerado seguro e até mesmo necessário para a saúde

Exames aprofundados garantem segurança para implantes dentários. – Foto: Getty Images/iStockphoto/NDExames aprofundados garantem segurança para implantes dentários. – Foto: Getty Images/iStockphoto/ND

Os implantes dentários compreendem questões que vão além da estética e podem ser designados a jovens com formação óssea completa, adultos e pessoas da melhor idade.

O bom estado geral de saúde é fundamental para a realização do tratamento e, mais do que isso, de mantê-los firmes para executarem suas funções ao longo dos anos.

Não existe rejeição ao implante, já que são feitos de titânio, um material que não sofre corrosão quando inserido no corpo. O procedimento também é designado a pacientes que apresentam doenças sistêmicas, como diabetes, osteoporose e hipertensão. No entanto, nestes casos, a cirurgia só poderá ser realizada se houver uma avaliação prévia e o controle rigoroso da doença.

Cuidados adequados para cada tipo de doença sistêmica

O doutor Elias Manoel Ribeiro Neto, diretor clínico da Oral Sin de Joinville, a rede de clínicas número 1 em implantes dentários do Brasil, explica qual é o comportamento em cada uma dessas doenças sistêmicas.

“Nestes casos, para mulheres ou homens, não existe contraindicação. É preciso apenas alguns cuidados para que o tratamento ocorra com total segurança”, afirmou.

Diabetes: A taxa de glicose elevada no sangue interfere na formação óssea. Paciente portador de diabetes, se não controlada, tem dificuldade no processo de cicatrização e maior risco a infecções após uma cirurgia.

Entretanto, existem estudos recentes, em que nos casos da glicemia bem controlada, o processo de osseointegração (união do osso com o titânio) ocorre normalmente, desde que o paciente seja medicado com antibióticos para evitar infecções.

Osteoporose: Por depender da boa qualidade óssea, a osteoporose dificulta a eficiência do tratamento. Cabe ao implantodontista solicitar alguns exames e, dependendo do caso, fazer a indicação dos implantes com cautela.

Pacientes que fazem uso de Bifosfonato de Sódio (Tratamento com Cálcio) devem relatar o uso do medicamento, pois, segundo pesquisas científicas, a realização do procedimento cirúrgico sob uso desse composto, seja uma extração dentária e/ou instalação de implantes, possui influência na cicatrização óssea pós intervenção.

No caso das mulheres ainda pode ser necessário um tratamento complementar de reposição hormonal e cálcio para melhorar a densidade óssea.

Hipertensão: O paciente hipertenso deve ser avaliado frequentemente por um cardiologista, para que a pressão arterial esteja sempre controlada. No caso dos mais ansiosos, uma possibilidade é o tratamento por sedação consciente, que diminui o nível de consciência do paciente, sem afetar sua habilidade de respirar e responder a estímulos ou comandos verbais.

“Saúde bucal, nossa maior herança”

Nos três casos o tratamento com implantes dentários pode ser realizado com sucesso. Basta procurar um profissional e uma clínica especializada no segmento.

“Nós temos uma única saúde, o que nos remete a lidar com muito critério. A saúde bucal é a nossa maior herança, por isso, a Oral Sin, a rede número 1 em implantes dentários do Brasil, está à disposição para cuidar de cada caso, oferecendo um tratamento humanizado, com o carinho que cada paciente merece”, finalizou o doutor Elias Manoel Ribeiro Neto.

A Oral Sin Joinville, SC, está na rua Max Colin 300, no bairro América. Para agendamento de uma avaliação basta ligar no telefone (47) 3026-0550. O Responsável é o Dr. Elias Manoel Ribeiro Neto | CRO: 11842.

+

Saúde