Em 2020, Covid-19 fez Brasil ser o 4º país com mais mortes

Pesquisa reuniu 79 países que juntos somam 1,4 milhões de óbitos

O Brasil é o quarto país com o maior excesso de mortalidade por conta da Covid-19 em uma lista de 79 países que juntos somam 1,4 milhões de óbitos.

O grupo representa 63,6% dos 2,2 milhões de óbitos registrados em 29 de janeiro. Essa é a data em que o estudo com a estimativa dos excessos de mortes foi publicada na Medrvix.

Excesso de mortes calcula quantas pessoas morreram a mais pela Covid-19 em determinado período – Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/NDExcesso de mortes calcula quantas pessoas morreram a mais pela Covid-19 em determinado período – Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/ND

A pesquisa assinada por Ariel Karlinsky, da Universidade Hebraica de Israel, e Dmitry Kobak, da Universidade de Tubingen na Alemanha, ainda está em preprint. Isso significa que ele ainda não foi revisado pelos seus pares, como é de praxe nas revistas científicas. O preprint permite ter acesso ao estudo antes desse processo, que costuma ser longo.

O excesso de mortes é um cálculo que estima quantas pessoas morreram a mais em um determinado período. Para isso, cria-se uma base comparação levando em conta quantas pessoas faleceram em cada país nos períodos anteriores. O número acima ou abaixo dessa linha de comparação é o excesso (ou escassez) de mortes.

No cálculo, feito pelos dois pesquisadores, apenas três países tiveram mais mortes em excesso durante a pandemia de Covid-19 do que o Brasil: Estados Unidos, México e Rússia. Os números para cada país estão no gráfico a seguir.

Como é possível perceber, alguns países tem um excesso de mortes maior do que a quantidade de óbitos por Covid-19 notificados. Isso indica, de acordo com o estudo, uma subnotificação nos óbitos causados pela doença. Caso a lógica e o cálculo da dupla estejam corretos, os países com a maior subnotificação seriam o Uzbequistão, Casaquistão, Bielorússia, Egito e Rússia.

Outra medida importante é a do excesso de mortalidade em relação à população. Nesse caso o Brasil cai para a posição 31, com 89,3 a cada 100 mil habitantes. Os primeiros lugares são de dois vizinhos: o Peru, com 305,1; e a Bolívia, com 259,2.

O médico e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Julival Ribeiro, aponta que o Brasil não está fazendo nada de diferente em 2021 para evitar repetir 2020.

“O Brasil está cometendo os mesmos erros do ano passado. Observamos um retardamento da vacina. O governo era para estar imunizando milhões de pessoas já. Não houve um planejamento e isso é muito triste porque o Brasil tem um das melhores programas de vacinação do mundo”, avaliou.

Ele disse ainda que mesmo com a vacinação é necessário “o uso de máscara e medidas de distanciamento social” para diminuir a curva de mortes. “Precisamos saber que nenhuma vacina tem eficácia de 100%”, concluiu.

+

Saúde