Em José Boiteux 72% dos infectados por Covid-19 são indígenas

Município de 4 mil habitantes no Alto Vale do Itajaí tem 114 infectados e 83 deles são indígenas; vítima mais jovem da Covid-19 em SC era moradora da cidade

Município de 4 mil habitantes, José Boiteux, no Alto Vale do Itajaí, registrou até segunda-feira (10) 114 casos da Covid-19. Desse total, 83 foram diagnosticados na população indígena. O número representa 72% dos infectados.

Em José Boiteux, 72% dos infectados pela Covid-19 são indígenas – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na aldeia Palmeirinha, a Covid-19 já fez uma vítima. A morte, que aconteceu no dia 3 de agosto, é de um bebê testado para a doença porque sua mãe estava infectada. O resultado deu positivo.

“É uma situação muito delicada. A liderança hoje está de mãos atadas”, diz o cacique Geomar Covi Crendô, 44 anos. Localizada na Terra Indígena Laklãnõ, a aldeia Palmeirinha tem, segundo Crendô, 51 infectados.

Crendô conta que o vírus está avançando muito rápido dentro da aldeia. “A dificuldade maior para nós ainda hoje é que a Sesai [Secretaria Especial de Saúde Indígena], através do polo base, que é o núcleo de atendimento aqui para a aldeia, para a terra indígena, está com funcionários desfalcados. Devido à pandemia muitos foram afastados”, conta.

Além da aldeia Palmeirinha, outras seis estão localizadas na cidade — Plipatol, Coplãg, Sede, Pavão, Toldo e Bugio.

Segundo a prefeitura, a alta incidência da Covid-19 entre a população indígena está relacionada aos altos índices de testagem. O modelo, que não é aplicado aos demais habitantes, é o de testar a família de pacientes com resultado positivo para o vírus.

Município tem falta de profissionais da saúde

A falta de profissionais da saúde, descrita pelo cacique, é confirmada pela prefeitura. Dos 12 técnicos de enfermagem atuantes na Sesai, apenas três seguem trabalhando. A redução acontece também com os enfermeiros, agentes de saúde, auxiliares de dentista e motoristas.

De acordo com a prefeitura, a redução nos quadros se dá justamente pela pandemia, sendo que os afastados pertenciam a algum grupo de risco. O mesmo acontece nas próprias UBS (Unidades Básicas de Saúde) de José Boiteux, que perderam dois de seus quatro técnicos de enfermagem.

Contraponto

A reportagem do nd+ tentou contato com a Dsei Interior Sul (Distritos Sanitários Especiais Indígenas), responsável pela saúde dos indígenas no estado, para uma avaliação sobre a situação na região da aldeia Palmeirinha. Também foi questionado o número total de indígenas infectados em Santa Catarina.

Não houve retorno do órgão até as 16 h desta terça-feira (11).

Também procurada pela reportagem, a Sesai de José Boiteux afirmou que não poderia repassar dados sobre a doença.

Em junho, apenas o polo base da Sesai em Ipuaçu, no Oeste do Estado, registrou mais de 300 indígenas infectados pela Covid-19 em Santa Catarina. O polo atende os municípios de Ipuaçu, Entre Rios e Abelardo Luz.

+

Saúde