12 mil pessoas deixam de tomar 2ª dose em Joinville, que está em nível gravíssimo

Número compromete a volta à normalidade, dizem epidemiologistas; região de Joinville é a única em nível gravíssimo para a Covid-19

Embora a região Nordeste de Santa Catarina siga em nível gravíssimo para a Covid-19, alguns moradores de Joinville têm subestimado a importância da segunda dose da vacina.

Segundo a prefeitura, até esta terça-feira (14), cerca de 12 mil pessoas não haviam retornado para completar o esquema vacinal.

Cartão de vacinação em JoinvilleOs faltantes aumentaram bastante após o feriado de 7 de Setembro, diz prefeitura – Foto: Carlos Junior/ND

O número vem crescendo à medida que a campanha de vacinação avança. Há menos de dois meses, em 29 de julho, eram 2,2 mil faltantes registrados no sistema da prefeitura.

Segundo a prefeitura, os faltantes aumentaram bastante após o feriado de 7 de Setembro. Apesar disso, o município considera que, proporcionalmente, o a quantidade é “relativamente pouca”.

Ao todo, foram aplicadas 405.132 primeiras doses, em Joinville, desde o início da campanha de imunização. Os dados foram atualizados pelo vacinômetro da prefeitura às 17h desta segunda-feira (13).

A segunda dose é considerada atrasada para o sistema do município quando há falta no horário previamente agendado no momento da primeira aplicação.

Ao todo, há 1.408 casos ativos de Covid-19, segundo atualização da prefeitura nesta segunda-feira. Desde o início da pandemia, 1.806 morreram em decorrência da doença.

Ameaça à volta a normalidade

Como o ND+ já informou, os faltantes representam um risco para que seja alcançada a “imunidade de rebanho” em Santa Catarina.

Especialistas indicam que, para alcançar um cenário de relativa tranquilidade, ao menos 70% da população deve estar com as duas doses ou a vacina de dose única aplicadas. Nesta terça, a porcentagem no Estado estava em 35,33%

O epidemiologista e professor do Departamento de Saúde Pública da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), Fabrício Augusto Menegon, por exemplo, comentou à repórter , do ND+, que quando há um contingente de pessoas que não retorna para a aplicação da segunda dose, a estratégia de imunização do Estado acaba sofrendo consequências.

O superintendente de vigilância em saúde, Eduardo Macário, já havia alertado sobre os casos faltantes. “Completar o esquema vacinal com as duas doses é essencial, além de manter os cuidados como o uso de máscaras, higienização e distanciamento social”, ressaltou.

UTIs cheias

A situação gravíssima, segundo mapa da SES (Secretaria de Estado da Saúde), pode ser explicada pela ocupação de leitos de UTI da região. No Planalto Norte e Nordeste de Santa Catarina, por exemplo, mais de 92% dos leitos Covid do SUS estavam ocupados nesta quarta-feira (14).

Salas de vacinação em JoinvilleCerca de 12 mil joinvilenses não voltaram para completar o esquema vacinal – Foto: Carlos Junior/ND

Os números, divulgados pelo Estado, mostram a discrepância das regiões. No Sul, apenas 15,49% das vagas estão ocupadas. No Meio-Oeste e Serra Catarinense, 19,33%.

Segundo dados específicos da prefeitura de Joinville, dos 185 leitos Covid Adulto da rede pública, 151 estão ocupados. O valor representa uma taxa de ocupação de 82%. Já nas UTIs pediátricas e neonatais, a ocupação é de 50%.

Mortes

Enquanto algumas cidades começam a registrar sequência de dias sem mortes por Covid-19, de domingo (12) até segunda-feira (13), sete pessoas perderam a vida pela doença em Joinville.

Foram cinco homens de 56, 72 e 74 anos e dois de 84 anos. Além disso, duas mulheres, de 91 e 93 anos, morreram na cidade.

Apesar do registro ser recente, segundo a prefeitura, os moradores faleceram entre 7 e 10 de setembro.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Saúde

Loading...