Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.


Empresários reagem contra possibilidade de lockdown em Santa Catarina

Entidades se posicionaram neste sábado (27) sobre recomendação de fechamento total por 14 dias feita pelo Ministério Público e outras instituições

A Federação das Indústrias de SC manifestou ao governo do Estado, neste sábado (27), preocupação com um eventual fechamento das atividades econômicas. É uma reação à recomendação de lockdown por 14 dias, feita na sexta-feira (26), pelo Ministério Público estadual e outras instituições.

O posicionamento da Fiesc coincide com o das demais entidades que integram o Cofem (Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina). Em ligação ao governador Carlos Moisés (PSL), na manhã deste sábado (27), o presidente Mario Cezar de Aguiar “argumentou que o trabalho nas indústrias é seguro e que a atividade industrial é essencial, inclusive para gerar os recursos necessários para combater a pandemia”.

Entidades empresariais apoiam o lockdown nos dois fins de semana previstos no decreto em vigor, mas rejeitam fechamento prolongado das atividades econômicas – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Divulgação/ND”Entidades empresariais apoiam o lockdown nos dois fins de semana previstos no decreto em vigor, mas rejeitam fechamento prolongado das atividades econômicas – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Divulgação/ND”

“A vida está sempre em primeiro lugar. Não há contradição entre a manutenção da atividade fabril e a proteção à saúde das pessoas. Os profissionais estão seguros dentro das fábricas, pois os protocolos são rigorosos e seguidos à risca”, diz Aguiar.

“A disseminação do vírus ocorre em outras circunstâncias e, por isso, o mais importante neste momento é a observância dos protocolos, especialmente no que se refere a evitar as aglomerações, o que exige a consciência das pessoas quanto ao momento crítico da pandemia”, acrescentou Aguiar, lembrando que a eficácia dos lockdowns têm sido questionada internacionalmente.

A Facisc (Federação das Associações Empresariais de SC), que congrega 148 associações empresariais e mais de 34 mil empresas, também manifestou posição contrária a um lockdown prolongado.

Para o presidente da Facisc, Sérgio Rodrigues Alves, é necessário primeiro avaliar os resultados alcançados com o decreto em vigor, que fechou as atividades não essenciais neste sábado (27) e domingo (28) e no próximo fim de semana. “Vamos aguardar os resultados do atual decreto para depois, caso não tenha surtido efeito desejado adotar medidas mas duras”, disse Sérgio.

A Fetrancesc (Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística de SC) considerou que o lockdown aos finais de semana “um ato responsável”. Argumentou que “é durante este período em que ocorrem efetivamente as aglomerações e consequentemente as contaminações”.

De acordo com a entidade, “não se pode atribuir a responsabilidade total ao ambiente de trabalho como sendo nele unicamente que ocorrem as contaminações”.

A Fampesc também se posicionou sobre a recomendação de lockdown por 14 dias.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.