Sabrina Aguiar

sabrina.aguiar@ndtv.com.br Coluna sobre os assuntos de Joinville e região. A economia, segurança pública, política e todos outros fatos por quem vive e pensa sobre as cidades.


Entenda como nova lei pode melhorar atendimento de autistas

Projeto de lei está em discussão e pode ajudar no diagnóstico de crianças autistas em Joinville

A Câmara de Vereadores de Joinville está debatendo a criação de uma nova lei que determina realização de diagnóstico precoce de autismo nas unidades de saúde da cidade. O projeto tem potencial de melhorar o atendimento para os pacientes.

Ainda em fase de comissões, a proposta de lei ordinária 64/2021 determina adoção de instrumentos de triagem de desenvolvimento infantil para crianças até 36 meses nos postos de saúde.

Josi Tromm: possivelmente no dia 18 de outubro.[17:08, 13/10/2021] Josi Tromm: Comissão debaterá projeto que determina realização de diagnóstico de autismo – Foto: Mauro Artur Schlieck/Divulgação NDJosi Tromm: possivelmente no dia 18 de outubro.[17:08, 13/10/2021] Josi Tromm: Comissão debaterá projeto que determina realização de diagnóstico de autismo – Foto: Mauro Artur Schlieck/Divulgação ND
O projeto busca também a capacitação dos professores da educação infantil e dos agentes públicos de saúde para a aplicação do teste e a detecção dos sinais de risco do autismo.

Lucas Souza (PDT), vereador responsável pelo texto, afirma que ”o diagnóstico nos primeiros meses de vida e o encaminhamento para tratamento proporciona à criança mais qualidade de vida. Vamos ter um impacto muito grande nas vidas que ainda vão nascer”.

Atendimento similar já existe em Curitiba e está servindo de modelo para a aplicação em Joinville.

Na avaliação do médico neurologista, Felipe Ibiapina, toda e qualquer iniciativa que facilite a detecção precoce do Transtorno do Espectro Autista (TEA) é muito bem-vinda. De acordo com o especialista, o número de diagnósticos vem aumentando, mas ainda é muito aquém do ideal.

“Muitas crianças sem o diagnóstico perdem uma preciosa chance de ter acesso a ferramentas de tratamento adequadas, que podem compensar dificuldades de comunicação e de comportamento que caracterizam o Espectro Autista”, completa o médico.

*Mikael Melo cobre interinamente a coluna de Sabrina Aguiar

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...