Escolher alimento por cor ou textura pode ser transtorno alimentar; entenda

O Tare (transtorno alimentar restritivo evitativo) é mais comum em crianças e adolescentes e pode gerar consequências para a saúde

Na infância é comum as crianças terem preferência por determinados alimentos e evitar outros. Com o passar dos anos, a alimentação tende a ser mais diversificada. Mas em alguns casos, é notado um padrão na hora de escolhê-los, restringindo a dieta pela aparência da comida.

Esse comportamento pode estar relacionado ao Tare (transtorno alimentar restritivo evitativo), trazendo prejuízos para o desenvolvimento físico, cognitivo e psíquico dos indivíduos.

Tare está relacionado às características dos alimentos, como textura, cor, sabor, aparência, temperatura e cheiro – Foto: Pixabay/Divulgação/ND

Diferente de outros transtornos alimentares, o Tare não está relacionado à aparência física, mas sim à sensibilidade em relação às características dos alimentos: textura, cor, sabor, aparência, temperatura, cheiro.

“É preciso deixar claro: o Tare não é falta de fome, dieta, manha ou paladar seletivo. Se trata de um transtorno que pode gerar consequências para a saúde”, conta a psicóloga Gabriella Ciardullo, da clínica Biotipo.

Ele é mais comum na infância e na adolescência e tende a perder força ao longo da vida, contudo pode persistir até a idade adulta. Segundo Gabriella, ao longo do aprendizado alimentar, o indivíduo cria suas próprias restrições baseados naquilo que o faz se sentir mais à vontade ou não.

Crianças que são seletivas e não são estimuladas a terem uma alimentação melhor, tendem a se tornarem adultos com maiores dificuldades em aceitar novos sabores e aspectos alimentares.

Prejuízos

A nutricionista Fernanda Machado, do 4MOVE Centro de Treinamento Personalizado, explica que não existe um padrão. “Em cada indivíduo ele se manifesta de uma maneira, tornando o diagnóstico mais difícil também. Pessoas muito seletivas, ou seja, que não aceitam uma grande variedade de alimentos e/ou que se contentam com poucas opções alimentares”, diz.

A restrição pode levar a prejuízos nutricionais e energéticos, provocando apatia, falta de energia, falta de concentração, piora da memória, dificuldades sociais e depressão, por exemplo.

“Os alimentos são substratos primários para produção de hormônios que nos fazem socializar, interagir, raciocinar e nos locomover. Então, se existe essa deficiência pela restrição ou privação, com certeza há comprometimento em alguma dessas áreas ou de todas”, completa a nutricionista.

Preconceito

A falta de conhecimento e compreensão do círculo social dos pacientes influencia também no convívio social deles. Segundo a psicóloga, eles sofrem muito preconceito pela falta de compreensão do senso comum que o julga, minimiza e descrimina sem saber sua real problemática.

“O indivíduo com Tare pode apresentar dificuldade em estar em lugares onde outras pessoas estão comendo, nega frequentemente convites para almoços, jantares e reuniões sociais para não lidar com o comportamento alimentar restritivo”, explica.

Boas práticas alimentares

É na infância que a maioria dos hábitos alimentares são formados, por isso, a importância dos pais incentivarem a boa prática alimentar desde os primeiros anos dos filhos.

Segundo Fernanda, uma criança sem momentos agradáveis durante as refeições sozinha e com os tutores, pode ser uma candidata a desenvolver transtornos alimentares, tanto restritivos quanto para cometer excessos e se punir posteriormente.

O tratamento é realizado com o apoio de uma equipe multidisciplinar, incluindo nutricionista, psicólogo, endocrinologista e psiquiatra, caso seja necessário.

“É um ‘trabalho de formiguinha’, onde o paciente precisa perceber suas dificuldades, quais são os gatilhos e fazer ao poucos uma readaptação alimentar”, completa a psicóloga.

+

Saúde