Estudo canadense investiga uso do açaí no tratamento da Covid-19

Pesquisadores investigam poder anti-inflamatório da fruta e se pode auxiliar na recuperação de pacientes com o novo coronavírus

Um estudo canadense da Universidade de Toronto, no Canadá, está testando a eficácia do extrato de açaí no tratamento da Covid-19.

Segundo os pesquisadores Michael Farkouh e Ana Andreazza, que conduzem a pesquisa, o poder anti-inflamatório da fruta pode melhorar a recuperação de pacientes com a doença e ajudar na prevenção de complicações causadas pela inflamação.

Extrato de açaí está sendo testado no tratamento contra a Covid-19. Foto: Nailana Thiely/Ascom UEPABELÉM/Fotos Públicas

Os pesquisadores vão investigar se o extrato do açaí pode reduzir a mortalidade ou a necessidade de ventilação mecânica em pacientes com Covid-19.

Segundo informações do Clinicals Trial Ontario, uma organização de experimentos clínicos, Ana já pesquisava as ações inibidoras de inflamação do açaí e, como a Covid-19 é uma doença que causa uma inflamação generalizada no corpo, viu a oportunidade de estudar a fruta no tratamento da doença.

“Nossa colaboração é uma história realmente interessante de como cientistas translacionais e cientistas clínicos se reúnem em tempos de crise para apresentar uma intervenção cientificamente sólida”, afirmou Farkouh ao Clinical Trial Ontario.

O ensaio clínico está sendo realizado no Brasil e no Canadá. Os centros de pesquisa incluem o Women’s College Hospital, a Scarborough Health Network e a Universidade de São Paulo (USP).

“Uma vantagem de incluir o Brasil é que eles estão no pico de casos de Covid-19, um momento diferente do Canadá, então seremos capazes de ver o impacto dessa intervenção nos estágios iniciais do número de casos e nas fases posteriores”, explica a pesquisadora.

O planejamento do estudo está minimizando qualquer contato direto entre pacientes e profissionais de saúde, enviando o material diretamente para a casa do participante do ensaio e conduzindo entrevistas de acompanhamento por telefone. Os pesquisadores estão prevendo uma alta taxa de participação e esperam ter resultados em aproximadamente três meses.

Os pesquisadores acreditam que se a eficácia for comprovada, o extrato terá grande importância na luta contra a Covid-19, por ser seguro e barato.

“Pensamos que esta intervenção tem potencial não apenas no Canadá e no Brasil, mas também em países de baixa e média renda, onde os desafios de administrar a Covid-19 são maiores”, afirma Farkouh.

+

Saúde