Extremo-Oeste de SC é o único no nível grave da Covid-19; entenda

Com 19 municípios, a região conta com 3.680 casos confirmados da doença e 37 mortes desde o início da pandemia; entenda porque

Após a divulgação do novo mapa de risco da Covid-19 em Santa Catarina, a região do Extremo-Oeste de Santa Catarina aparece como a única no nível grave (cor laranja), as outras 15 regiões estão no nível gravíssimo (cor vermelha).

Com 19 municípios e uma população aproximada de 171 mil habitantes, a região conta com 3.680 casos da Covid-19 e 3.243 recuperados. Os dados são da Ameosc (Associação dos Municípios do Extremo Oeste de Santa Catarina).

O número de mortes também é pequeno, com apenas 37 óbitos entre os municípios. A região conta com 135 leitos de UTI ativos. Do total, 115 estão ocupados e 20 disponíveis. Deste número, 57 leitos são ocupados por pacientes com a Covid-19. 

Nesta semana, 15 das 16 regiões estão em nível gravíssimo para a Covid-19 e Santa Catarina está 90% no “vermelho” – Foto: Reprodução/NDNesta semana, 15 das 16 regiões estão em nível gravíssimo para a Covid-19 e Santa Catarina está 90% no “vermelho” – Foto: Reprodução/ND

Diagnóstico

No evento sentinela que considera a ocorrência de óbitos por Covid-19 e o comportamento da pandemia, a região está com pontuação 2.5. Na transmissibilidade que avalia a variação no número de confirmação positiva e os casos ativos está em 4.0, ou seja, no limite máximo.

No quesito monitoramento que observa os casos investigados e o inquérito de síndrome gripal na comunidade, a região está em 2.5. Já no quesito ocupação de leitos, a região está em 2.0, a menor entre todas as regiões do Estado. 

Segundo o presidente da Ameosc e prefeito de São José do Cedro, Plínio de Castro, a ocupação de leitos de UTI Covid-19 tem sido, até o momento, o que está mantendo a região na classificação de risco potencial grave. 

Castro destaca que os 19 municípios da região estão seguindo à risca todas as medidas e orientações das portarias do Governo do Estado. Mas alerta para o elevado número de transmissão do vírus. 

Número total de casos confirmados na região é de 3.680. – Foto: Reprodução/AmeoscNúmero total de casos confirmados na região é de 3.680. – Foto: Reprodução/Ameosc

Para o presidente, o fato dos municípios da região Extremo-Oeste serem, em sua maioria, pequenos, contribui no controle da doença e isso facilita em comparação a uma cidade com população maior. Porém, Castro reforça que isso não é o suficiente, uma vez que o Estado todo está acompanhando um avanço na pandemia. 

“Não podemos nos descuidar. Estamos no limite da pontuação para chegarmos no nível gravíssimo. Os números de casos estão aumentando e isso é um sinal de alerta”, pontua.

Mortalidade nula

Dos 19 municípios da região do Extremo-Oeste, sete não registraram mortes em decorrência da Covid-19. São eles: Bandeirante, Barra Bonita, Belmonte, Mondaí,  Princesa, Santa Helena e Tunápolis. Juntos, os municípios somam 691 casos confirmados da doença e 646 recuperados. O destaque é para a cidade de Bandeirante, que dos 18  casos ativos todos já estão curados.

Com uma população de 4.525 pessoas, segundo o IBGE, o município de Tunápolis conta com 488 casos confirmados da Covid-19 e 475 recuperados. Apenas sete casos estão ativos e 16 em monitoramento. A cidade é uma das que não possui registro de mortes em decorrência do vírus.  

Testes ajudam no controle

O secretário de Saúde de Tunápolis, Carlos Adolfo Baumgratz, atribui a nula mortalidade no município ao número de testes realizados. Desde o início da pandemia foram realizados 1.120 testes, ou seja, cerca de 25% da população já foi testada. 

“Isso facilita no controle da disseminação do vírus, uma vez que ao ser feito o teste a pessoa fica em isolamento e faz com que a cadeia de transmissão seja quebrada”, avalia.

Município de Tunápolis testou 25% da população até o momento. Foto: Flavio Tin/NDMunicípio de Tunápolis testou 25% da população até o momento. Foto: Flavio Tin/ND

Baumgratz ressalta que dos casos confirmados no município poucos precisaram de internação hospitalar e nenhum de UTI. “Nossas agentes de saúde fazem um acompanhamento com sete famílias por semana, ajudando no acompanhamento”.

Apesar do saldo positivo de Tunápolis, o secretário ressalta que a preocupação permanece e cresce à medida que o número de pessoas que procuram atendimento com suspeita do vírus aumenta.

“Infelizmente estamos vivendo um momento em que a população parece ter perdido o medo da doença e, muitas vezes, não respeitam o isolamento ou pensam que não serão infectadas. Precisamos manter a conscientização e os cuidados para evitar um surto ainda maior”, acrescenta. 

Ações de combate ao vírus

Em São Miguel do Oeste, o maior município da região com 40.868 habitantes, segundo o IBGE, o número de casos confirmados da Covid-19 está em 1.110, conforme o último boletim divulgado. O número de recuperados é de 918 e apenas três estão em internação hospitalar. Desde que iniciou a pandemia oito pessoas morreram em decorrência do vírus, o maior da região.

De acordo com a secretária de Saúde do município, Geni Girelli, desde o início da pandemia todas as ações foram voltadas para promover a prevenção e evitar a transmissão de casos de infecção. 

São Miguel do Oeste aposta na eficiência do atendimento – Foto: DivulgaçãoSão Miguel do Oeste aposta na eficiência do atendimento – Foto: Divulgação

Algumas delas foram: publicação de decreto de situação de emergência; criação do Comitê de Crise; implementação do Centro de Triagem para atendimento de pacientes com sintomas respiratórios; reorganização e estruturação de todos os serviços de saúde e garantia da detecção, notificação e investigação de casos suspeitos de forma rápida para assim promover o isolamento e parar a possibilidade de transmissão pelo infectado.

Outras iniciativas envolveram o acompanhamento de pacientes positivos via telefone ou Whatsapp no terceiro, quinto e décimo dia; Garantia de assistência adequada ao paciente, com acesso e manejo clínico correto evitando a internação hospitalar em leitos de enfermaria ou UTI, resultando em baixo índice de internamento; e monitoração e avaliação junto com o setor de epidemiologia a situação epidemiológica para orientar a tomada de decisão que é realizada no Comitê de Crise. 

Diferenciais

Girelli destaca como diferencial no município o diagnostico precoce para identificação dos casos e isolamento. “Cumprimos a risca  todos os protocolos implementados pelo Ministério da Saúde, disponibilizamos teste rápidos e principalmente compramos o teste de antígeno que possibilita o diagnóstico a partir do terceiro dia de sintomas”, pontua.

Segundo ela, o centro de triagem também é um diferencial pois todos os sintomáticos são atendidos no local evitando a contaminação nos demais serviços de saúde.

A secretária observa que nos últimos dias houve um relaxamento por parte da população em geral e dos estabelecimentos comerciais quanto aos cuidados de proteção. “A partir desta percepção marcamos reuniões com as entidades representativas para novamente reforçar a importância destas entidades cobrarem de seus associados a retomada dos cuidados. Ademais, a população tem se mostrado participativa e sensibilizada e é com isso que contamos para permanecermos na classificação laranja ou migrarmos para o amarelo”, conclui.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Saúde

Loading...