Fiocruz conclui análise e libera distribuição das vacinas vindas da Índia

Caminhões, que seguirão agora para um depósito na Zona Norte do Rio, começam a ser abastecidos com as caixas dos imunizantes

Menos de 14 horas após receber os 2 milhões de doses da vacina da Universidade de Oxford/Astrazeneca, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e comprada do Instituto Serum, a equipe técnica do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) concluiu a análise e liberou o imunizante para ser distribuído pelo Brasil.

O Brasil recebeu 2 milhões de doses da vacina após o governo indiano ter liberado os imunizantes – Foto: ADRIANA CRUZ/METRÓPOLESO Brasil recebeu 2 milhões de doses da vacina após o governo indiano ter liberado os imunizantes – Foto: ADRIANA CRUZ/METRÓPOLES

Caminhões, escoltados por carros da Polícia Federal, já estão sendo abastecidos com as caixas das doses da vacina contra a Covid-19. Agora, os imunizantes seguem para um depósito na Zona Norte do Rio de Janeiro, onde serão separados e enviados para todos os estados brasileiros.

Em obediência às normas regulatórias da Anvisa, as vacinas passaram por checagem de qualidade e segurança, além de rotulagem com informações em português para facilitar a distribuição das doses que vieram da Índia.

O infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) Estevão Portela será o primeiro a receber a vacina.

Toda a logística de envio para os estados é de responsabilidade do Ministério da Saúde, por meio do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

O primeiro lote dessa vacina atrasou uma semana para chegar ao país, segundo os planos iniciais do governo federal. De acordo com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em entrevista na noite dessa sexta-feira (22/1), todos os estados receberão as vacinas no período de 24h após o início da distribuição.

+

Saúde