Florianópolis completa um mês sem mortes pelo novo coronavírus

Capital deixou de ser a cidade com o maior número de casos no estado há algumas semanas; atualmente contabiliza 710 confirmações

Nesta quinta-feira (4), a cidade de Florianópolis completa 30 dias sem ter nenhuma morte pela Covid-19.  O último óbito registrado na capital do Estado foi de um homem de 80 anos. E essa sétima morte foi divulgada no boletim do governo de SC no dia 4 de maio.

Desde o início da pandemia o município acumula 710 confirmações pelo vírus, deixando de ser a cidade com mais números de casos no estado no fim de maio, figurando como a terceira no momento, atrás de Concórdia  (955) e Chapecó (944).

Com o retorno dos ônibus na capital prevista para o dia 17 de junho, o município passa a adentrar ao chamado “novo normal” que, segundo a Secretaria de Saúde, deve ser “baseado em dados” – Foto: Anderson Coelho/NDCom o retorno dos ônibus na capital prevista para o dia 17 de junho, o município passa a adentrar ao chamado “novo normal” que, segundo a Secretaria de Saúde, deve ser “baseado em dados” – Foto: Anderson Coelho/ND

O prefeito municipal, Gean Loureiro (DEM) afirma, em sua conta no twitter, que a cidade “não fez nada de extraordinário”, somente teria analisado e adotado medidas comprovadamente eficazes, como isolamento social, rastreamento de casos e testagem ampla.

“Por aqui já fizemos as movimentações com medidas restritivas após 1 dia do primeiro caso confirmado na cidade. Fizemos movimentações mais amplas e no tempo certo, respeitando o ciclo de vida viral. Além disso as fiscalizações da Vigilância Sanitária sobre os locais que poderiam ou não estarem abertos fez toda a diferença”, afirma o secretário de saúde, Carlos Alberto Justo da Silva

“Baseamos nossas decisões em estudos, métricas e principalmente em como o vírus se comportava na cidade”, acrescenta.

Uma das medidas particulares, decidida em nível estadual, foi o veto do transporte público, que seguiu funcionando na maioria do país. Nesse quesito, a capital catarinense foi considerada exemplar pelos infectologistas Antônio Mazzei e Fábio Gaudenzi, que atestaram que a suspensão do serviço é muito mais eficaz do que demais medidas de prevenção.

Da mesma forma, o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) apontou o estado catarinense como o terceiro em medidas de restrição na primeira quinzena de abril.

Leia também:

“Aqui no Brasil, o Sul do país, sobretudo a Grande Florianópolis, tem sido a região nacional de maior destaque. Veja, Santa Catarina foi o estado pioneiro nas medidas de distanciamento, inclusive no fechamento de estabelecimentos comerciais. Florianópolis tem testado assintomáticos em drive-thru, o que é uma oportunidade de detectar pessoas infectadas e isolá-las, bem como os seus contatos”, afirma Mazzei.

Retomada do transporte coletivo

Com o retorno dos ônibus na capital prevista para o dia 17 de junho, o município passa a adentrar ao chamado “novo normal” que, segundo a Secretaria de Saúde, deve ser “baseado em dados” e passível de reajustes, caso necessário.

Em se tratando de uma possível segunda onda, no futuro, a pasta afirma que ações e vetos no início dos sinais devem ser a maneira da capital lidar com a pandemia.

“O melhor exemplo foi a ação precoce, que é embasada amplamente na literatura. Os piores exemplos foram as aberturas apressadas e com pouco espaçamento entre cada uma. Por aqui estamos focando em nossas ações e nos números que elas tem refletido na cidade, como o de 30 dias sem mortes pelo novo coronavírus”, declara.

04 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
  • Jorge Oliveira
    Jorge Oliveira
    Parabéns ao senhor Geã Paraguaçu, prefeito de Sucupirópolis. Agora ele controla o destino das pessoas e também a taxa de mortalidade.
  • Geraldo Silveira
    Geraldo Silveira
    Então quer dizer que nas cidades que tem menos casos e mortalidade maior a culpa é de alguém???
  • Fernando Pereira
    Fernando Pereira
    A mortalidade diz respeito exclusivamente aos fatores individuais e imunológicos de cada pessoa infectada pela covid. A evolução favorável ou desfavorável dessa doença não depende do prefeito ou qualquer outro político que venha querer tirar proveito da situação.

+ Saúde