Grande Florianópolis está em risco grave para transmissão do coronavírus há cinco semanas

Região é a única, há 15 dias, que não foi classificada pelo governo do Estado como de risco gravíssimo

A região da Grande Florianópolis está há cinco semanas consecutivas em risco grave para a transmissão do coronavírus e há duas semanas, é a única de Santa Catarina nesta classificação. As demais permanecem em risco gravíssimo de acordo com a Matriz de Risco Potencial, divulgada neste sábado (29) pelo governo do Estado.

Aumento da imunização contra a Covid-19 é um dos fatores que contribuiu para a queda no número de óbitos em Florianópolis – PMF/Divulgação/NDAumento da imunização contra a Covid-19 é um dos fatores que contribuiu para a queda no número de óbitos em Florianópolis – PMF/Divulgação/ND

O aumento na vacinação contra a Covid-19, além do investimento em testagem em massa e ações voltadas à prevenção e controle da disseminação do coronavírus na cidade também fizeram com que a capital catarinense terminasse o último mês com redução de 90% no número de óbitos pela doença, na comparação com março deste ano.

Dados do Covidômetro, portal da prefeitura que divulga diariamente informações, número de casos confirmados, recuperados, ativos e mortes pela enfermidade na Capital, apontam que, em março de 2021, foram registrados 262 óbitos e, no último mês, esse número caiu para 28. Desde o último dia 7 até este sábado (29), foram registrados 46 óbitos, 82,5% a menos do que o número registrado há dois meses.

Além do avanço na imunização contra a Covid-19, o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, evidencia a união e as ações conjuntas realizadas pelas prefeituras da região como alguns fatores que contribuíram para o resultado positivo.

“Em março deste ano, a Capital e outras cidades da Grande Florianópolis enfrentavam a pior situação quanto ao avanço do vírus desde o início da pandemia. Nós, prefeitos, nos reunimos, definimos e colocamos em prática medidas em conjunto para diminuir a circulação de pessoas, principalmente no período noturno e finais de semana. Além disso, fiscalizamos o cumprimento destas determinações para fazer valer as regras sanitárias e, desde então, os números vêm caindo gradativamente, tanto de internação, quanto de óbitos”, avalia.

Investimento na testagem em massa, entre outros fatores, ajudou a Capital a reduzir a curva de contágio do coronavírus na cidade – Foto: Cristiano Andujar/PMF/Divulgação/NDInvestimento na testagem em massa, entre outros fatores, ajudou a Capital a reduzir a curva de contágio do coronavírus na cidade – Foto: Cristiano Andujar/PMF/Divulgação/ND

Investimento na testagem em massa

Outras iniciativas implantadas pelo município desde o início da pandemia, como o investimento na testagem em massa, por exemplo, também contribuíram para a queda no número de mortes, de acordo com o prefeito.

“É muito importante que todos os casos suspeitos façam o teste. Se a pessoa teve contato com alguém contaminado, também. Apenas com esses resultados podemos saber a real situação do vírus na cidade e tomar as medidas necessárias, além de monitorar para garantir que os casos positivos não estejam circulando pela cidade. Além da testagem rápida, ampliamos o número de leitos nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e nos hospitais. Também temos centros de testagem exclusivos para a Covid-19 e investimentos no atendimento rápido à população, seja por meio do Alô Saúde, ou em nossas unidades básicas”, esclarece.

Gean Loureiro, no entanto, alerta para a importância de todos continuarem tomando todas as precauções e medidas de prevenção para frear o contágio pelo vírus na cidade.

“Precisamos ficar alertas, o tempo esfriou, nessa época é comum aumentarem as doenças respiratórias. É muito importante que as pessoas mantenham todas as ações voltadas à prevenção e a situação melhore cada vez mais. Estamos acelerando a vacinação de todos os grupos prioritários e estamos esperando para também começara vacinar pessoas com menos de 60 anos assim que for possível. Isso deve ser definido no início da próxima semana e a expectativa é de que as doses sejam divididas por faixa etária e grupos prioritários”, destaca o prefeito.

A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) por Covid-19, hoje é de é de 85,23% neste sábado (29), enquanto em março havia fila de espera nos hospitais da região.

<p style=”font-size: 7px;”>Conforme determina a Lei Municipal nº 10.199, de 27 de março de 2017, a Prefeitura Municipal de Florianópolis informa que a produção deste conteúdo não teve custo, e sua veiculação custou R$2.000,00 reais neste portal.</p>

+

Prefeitura de Florianópolis

Loading...