Homem acorda na UTI após ouvir bailão em Joinville

Internado por causa da Covid-19, Lourinho, conhecido por promover bailões na cidade, reagiu justamente após ouvir música e áudios da família

Não é de hoje que Lourival João Jorge gosta de bailões. Há mais de 40 anos, ele promove o Bailão do Lourinho, festa que leva o seu nome e atrai centenas de pessoas também apaixonadas pelo ritmo em Joinville.

Lourinho acordou após ouvir bailão e mensagens da família – Foto: Arquivo pessoal/NDLourinho acordou após ouvir bailão e mensagens da família – Foto: Arquivo pessoal/ND

Acontece que a relação entre o bailão e o Lourinho ficou ainda mais forte no ano passado, quando ele contraiu Covid-19. Por causa da doença, o homem de 69 anos acabou sendo internado na UTI do Hospital Regional Hans Dieter Schmidt e, mesmo depois de sair da intubação e da sedação, continuava sem acordar, deixando até os médicos apreensivos.

Há dez dias nessa situação, a família de Lourinho começou a buscar alternativas para tentar ajudá-lo a acordar. Eles acreditavam que ver e ouvir os familiares poderia ser um estímulo para que o paciente reagisse. O problema é que as pessoas internadas na UTI não poderiam receber visitas e os planos acabaram indo por água abaixo.

“A gente estava perdendo ele pouco a pouco. Sentíamos a necessidade de fazer algo para ele acordar porque achávamos que ele estava se entregando, que não ia mais acordar e que a gente ia receber um telefonema de que ele tinha morrido”, lembra a enteada Michelle Antunes.

Michelle (à esquerda) não desistiu de encontrar uma solução para acordar Lourinho – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTVMichelle (à esquerda) não desistiu de encontrar uma solução para acordar Lourinho – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTV

Motivada a buscar uma alternativa para acordar Lourinho, ela começou a pesquisar tratamentos que já haviam sido usados por outros pacientes e, nessa pesquisa, descobriu que o próprio hospital tinha um programa que usava música para animar os pacientes, porém, apenas para pessoas acordadas.

“Comprei briga com o hospital porque queria que isso fosse usado com ele também. E numa dessas tentativas, eles cederam a oportunidade de colocar um áudio pra ele”, conta Michelle. Uma pessoa do projeto ligou para ela e pediu para que enviasse uma mensagem em 15 minutos. 

A mensagem que acordou Lourinho

Rapidamente, Michelle mobilizou a mãe e, juntas, as duas gravaram um áudio para acordar Lourinho.

“Amor, acorda. Já está pronto o café, você está há tanto tempo dormindo. Eu fritei banana que você gosta. O café está pronto, vamos acordar”. 

Na mensagem, Helena Antunes, esposa de Lourinho, o convida para tomar café com banana frita, uma refeição que ele adora. Por fim, mãe e filha ainda incluíram a música “Meu amor é você”, da dupla joinvilense Junio e Julio, que marca a vida do casal. “É uma música muito especial porque toda última segunda do mês a gente tinha um jantar, a gente se unia e ele sempre cantava”, conta Helena.

Helena comemora a vida nova de Lourinho – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTVHelena comemora a vida nova de Lourinho – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTV

Após mandar o áudio, a família ficou esperançosa, aguardando o retorno do hospital. A resposta veio em seguida e não poderia ser melhor: Lourinho havia acordado. “No mesmo momento em que ela colocou o áudio ele já abriu o olho e tentou se movimentar. Fez batidas com a mão na perna como se estivesse acompanhando o ritmo da música”, relembra Michelle emocionada.

No dia seguinte, a enteada preparou um áudio ainda mais especial para ajudar Lourinho a acordar de vez. Juntou mensagens da esposa, amigos, filhos e, no fim, uma música cantada pela neta de Luana, de 11 anos, que o avô adora. O resultado foi ainda melhor.

“Colocaram os áudios no ouvido dele e ele abria olho, tinha uma reação. Na hora que colocaram a música dela, ele abriu o olho ainda mais forte e tentou se erguer. Começou a falar que era a neta e, nesse momento, os médicos caíram em lágrimas porque não acreditaram”, comemora a enteada.

A música cantada por Luana ajudou a acordar o avô – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTVA música cantada por Luana ajudou a acordar o avô – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTV

Lourinho não se lembra muito bem de como tudo aconteceu, mas sabe que o carinho e o esforço da família e dos amigos foram fundamentais para a sua recuperação. “A música da Luana e do Junio e Julio foi fundamental. Quando eu ouvi, eu falei ‘é minha neta’, aí abri o olho e não fechei mais”.

Junio e Julio, por sua vez, comemoram a recuperação do amigo. “Foi uma satisfação saber que ele acordou com a música da dupla. A nossa música está ajudando as pessoas até a acordar, é uma coisa maravilhosa a gente poder ajudar um pouquinho nessa recuperação”, fala Junio.

Junio abraça o amigo Lourinho, recuperado após ouvir a música da dupla – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTVJunio abraça o amigo Lourinho, recuperado após ouvir a música da dupla – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTV

Agora em casa, Lourinho aproveita os dias para curtir a família, os amigos e até dançar ao som da música que o fez acordar novamente para a vida, sempre acompanhado de Helena.

Projeto do hospital traz alegria e bem-estar aos pacientes

O projeto do qual Lourinho fez parte ocorre todas as semanas no Hospital Regional, mas com pacientes acordados. Terapeutas e voluntários se unem para tocar e cantar músicas para pessoas em cuidados paliativos, proporcionando momentos de alegria a quem está internado.

“Nós tivemos muitos resultados positivos, como a interação social e a parte afetiva. Isso melhora o tratamento porque é um momento que desfoca da questão hospitalar e traz lembranças da infância e outras memórias positivas”, explica a terapeuta ocupacional Luciane Frutuoso.

A psicóloga Hildegard Krause, que também atua no hospital, fala que o clima em setores como a UTI é sempre muito tenso e o trabalho com a música acaba proporcionando conforto e uma referência que é externa ao ambiente hospitalar. 

“Existem vários estudos que indicam que a música pode atuar sobre a frequência cardíaca e respiratória e existem outros estudos que também falam que a música atua sobre ondas cerebrais”, ressalta.

Enquanto o projeto continua no hospital, Lourinho segue a vida ouvindo o bailão que o trouxe de volta.

Lourinho e Helena ensaiam passos ao som da música que fez a diferença na vida do casal – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTVLourinho e Helena ensaiam passos ao som da música que fez a diferença na vida do casal – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTV

*Com informações da repórter Adriana Freitas, da NDTV

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Saúde