Hospital de Joinville faz procedimento cardíaco inédito no sul do país

Tratamento menos invasivo restabelece frequência cardíaca sem necessidade de uso de marca-passo

Um hospital de Joinville, no Norte do Estado, realizou, nesta quinta-feira (4), pela primeira vez, um procedimento cardiológico inédito no Sul do país: a cardioneuroablação, técnica menos invasiva que dispensa uso do marca-passo para restabelecer a frequência cardíaca. Rafael Ronsoni, médico que integra a equipe de Eletrofisiologia do Hospital Dona Helena, foi o responsável pela aplicação do procedimento.

Procedimento foi realizado pela primeira vez nesta quinta-feira (4) – Foto: Divulgação/NDProcedimento foi realizado pela primeira vez nesta quinta-feira (4) – Foto: Divulgação/ND

Segundo o médico, a cardioneuroablação, é semelhante a uma ablação cardíaca por cateter, na qual localiza-se, dentro do coração, as inervações parassimpáticas (porção do sistema nervoso que reduz os batimentos cardíacos).

A técnica aplica energia de calor em algumas áreas para modular, de forma adequada, o excesso de estímulo que estava provocando as pausas cardíacas. O procedimento dura, em média, três horas para ser realizado.

“As vantagens aos pacientes são as melhoras clínicas, com resolução das pausas cardíacas e dos desmaios. É um procedimento menos invasivo do que um implante de marca-passo, evitando a utilização de uma prótese pelo resto da vida”, ressalta o cardiologista, apontando também que a técnica gera menos custos aos sistemas de saúde ao longo dos anos.

Quando a cardioneuroablação é indicada?

As situações clínicas em que o procedimento é indicado são: desmaios com origem em uma desregulação da pressão arterial e dos batimentos cardíacos, chamada de síncope vasovagal; e períodos de frequência cardíaca reduzida, denominada bradicardia, na ausência de doença na estrutura do coração.

De acordo com Rafael, o controle da pressão arterial e dos batimentos cardíacos ocorre normalmente pela ação das terminações nervosas que agem sobre o coração.

“Quando nós praticamos um esforço físico, como uma corrida, temos um aumento normal e necessário da frequência cardíaca e da pressão arterial, crescimento mediado pelo sistema nervoso simpático, que está em íntimo contato com o coração”, explica. “Por outro lado, durante o sono, nosso metabolismo é reduzido e, portanto, temos uma redução dos batimentos cardíaco e da pressão arterial até um certo patamar. Esta ação é condicionada pelo sistema nervoso parassimpático que, da mesma forma que o simpático, possui ação cardíaca”, complementa.

Em alguns pacientes, identifica-se uma exacerbação da modulação do sistema nervoso parassimpático, resultando em períodos intensos de bradicardia, gerando pausas na atividade cardíaca, por vezes superiores a 10 segundos.

“Mesmo se o paciente possuir um sistema elétrico cardíaco normal isso acontecerá, pois falta o estímulo que o sistema nervoso proporciona para o coração gerar os batimentos cardíacos”, salienta.

Nestes casos, tradicionalmente é indicado o implante de marca-passo, mesmo com o sistema elétrico normal. Para evitar esta situação, foi desenvolvida a cardioneuroablação, técnica para modular o controle nervoso da frequência cardíaca. “Por meio de aplicações de calor em regiões específicas do coração onde esses nervos atuam, podemos reduzir a ação do sistema nervoso parassimpático e, por consequência, abolir as pausas do coração”, detalha.

“Diferentemente, na presença de doenças cardíacas, mesmo com o trabalho adequado dos sistemas nervosos citados anteriormente, não temos um adequado resultado referente à modulação da frequência cardíaca e da pressão arterial – nessa situação, estamos diante de uma doença cardíaca que necessita de tratamento específico e muitas vezes, o marca-passo é indicado”, finaliza.

Leia também:

Primeira morte por coronavírus em São Bento do Sul é de idoso de 90 anos

Três Barras irá aplicar mil testes rápidos para a Covid-19 em uma semana

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

+ Saúde