Hospital esclarece troca de corpos em Santa Catarina

Por meio de nota, o Hospital Dr. Waldomiro Colautti informou que realizou todos os protocolos de identificação dos corpos, conforme recomendado pelas autoridades

O Hospital Dr. Waldomiro Colautti, em Ibirama, se pronunciou durante a tarde desta terça-feira (16) sobre o episódio em que os corpos de duas mulheres que faleceram na unidade foram trocados.

Corpo de mulher que foi trocado é exumado, em Presidente Getúlio – Foto: Especial/NDCorpo de mulher que foi trocado é exumado, em Presidente Getúlio – Foto: Especial/ND

Por meio de nota, o hospital informou que realizou todos os protocolos de
identificação dos corpos, conforme recomendado pelo Núcleo Interno de Segurança do Paciente.

“O Hospital Dr. Waldomiro Colautti lamenta profundamente o ocorrido, ofertando todo o suporte para as famílias e dando os encaminhamentos necessários”, diz o comunicado.

A unidade informou ainda que dispõe das imagens das câmeras de segurança comprovando que os corpos estavam identificados. O hospital também disse ainda que já solicitou abertura de processo de sindicância administrativa para apurar os fatos.

Entenda o caso

Na manhã desta segunda-feira (15), por volta das 9h30, a moradora de Ascurra, Elisia Wunsch de 92 anos, que estava internada no hospital veio a óbito e teve o corpo encaminhado ao necrotério da unidade.

Mais tarde, por volta das 11h20, uma moradora de Presidente Getúlio, Iolanda Marchi de 94 anos, que estava internada no mesmo setor também foi a óbito. Porém, o corpo dela foi mantido na enfermaria.

Após a confirmação dos óbitos, segundo o hospital, as famílias foram comunicadas e ficaram responsáveis por acionar as funerárias para o acolhimento e translado dos corpos.

No entanto, a funerária contratada pela família de Presidente Getúlio chegou antes ao hospital e levou o corpo de Elisia. Na sequência, Iolanda foi recolhida pela funerária que prestava serviços para a família de Ascurra.

O equivoco só foi percebido durante o velório de Elisia Wunsch. Um neto da mulher teria percebido a diferença e confirmou após analisar o corpo da avó. Segundo a família, Elisia passou por uma mastectomia há alguns anos e só tinha um seio.

Marcos Roberto Wunsch, neto que identificou a troca de corpos – Foto: Gabriela Milanezi/NDTV BlumenauMarcos Roberto Wunsch, neto que identificou a troca de corpos – Foto: Gabriela Milanezi/NDTV Blumenau

Após identificarem que o corpo não era o de Elisia, os familiares acionaram a Polícia Civil, que esteve no local. O velório foi suspenso e o corpo foi levado para a delegacia.

Após entrar em contato com o hospital, os familiares descobriram que o corpo de Elisia havia sido sepultado na cidade de Presidente Getúlio, a cerca de 40 quilômetros de distância, e que na verdade estavam velando o corpo de Iolanda Marchi.

Durante a tarde desta terça-feira (16) o corpo de Iolanda foi exumado para que a troca pudesse ser realizada e os familiares pudessem fazer o velório das idosas.

Polícia Civil abre investigação

A Polícia Civil informou que as circunstâncias e a investigação do caso serão apuradas pela Delegacia de Ibirama, uma vez que o fato ocorreu nas dependências do Hospital Dr. Waldomiro Colautti, no Alto Vale. O delegado Ronnie Esteves gravou um vídeo onde explica a ocorrência atendida pela Polícia Civil.

Acesse e receba notícias de Blumenau e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Saúde