Instituto Butantan protocola na Anvisa pedido de estudos para vacina brasileira

Dossiê de Desenvolvimento Clínico de Medicamento do imunizante Butanvac será analisado pela agência reguladora

O Instituto Butantan protocolou na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), na noite desta sexta-feira (26), o pedido com DDCM (Dossiê de Desenvolvimento Clínico de Medicamento) para a realização das fases 1 e 2 de estudos do imunizante Butanvac.

Em nota, a agência reguladora informou que vai analisar “a proposta de estudo , o número de participantes e os dados de segurança obtidos até o momento nos estudos pré-clínicos que são realizados em laboratório e animais.”

Proposta de estudo o número de participantes e os dados de segurança obtido até agora serão analisados pela Anvisa – Foto: Instituto Butantan/Divulgação/NDProposta de estudo o número de participantes e os dados de segurança obtido até agora serão analisados pela Anvisa – Foto: Instituto Butantan/Divulgação/ND

Após a imprensa ter divulgado que a vacina do Butantan teria sido desenvolvida no Instituto Mount Sinai, nos Estados Unidos, o instituto divulgou uma nota em que reafirma que a produção da Butanvac será 100% brasileira.

Segundo a nota, o instituto firmou uma parceria e tem a licença de uso e exploração de parte da tecnologia que foi desenvolvida pela Icahn School of Medicine do Hospital Mount Sinai de Nova Iorque para se obter o vírus

“O uso dessa tecnologia é livre do pagamento de royalties (royalty free) e pode ser feito por qualquer instituição de pesquisa em qualquer parte do mundo. Isso foi adotado para essa tecnologia com o objetivo de acelerar o desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus”, informou o Butantan.

O instituto esclarece que apenas a tecnologia desenvolvida nos Estados Unidos para obtenção do vírus não é suficiente para se desenvolver uma vacina e é quando começa o “desenvolvimento da vacina completamente com tecnologia do Butantan”. “Entre as etapas feitas totalmente por técnicas desenvolvidas pelo instituto paulista, estão a multiplicação do vírus, condições de cultivo, ingredientes, adaptação aos ovos, conservação, purificação, inativação do vírus, escalonamento de doses, estudos clínicos e regulatórios, além do registro.”

O Butantan ainda destacou que o consórcio internacional tem um papel importante na “concepção da tecnologia e no suporte técnico para o desenvolvimento do imunobiológico, algo imprescindível para uma vacina segura e eficaz.”

+

Saúde