Joinville já transferiu 40 pacientes com Covid-19 para hospitais da região

Os 40 pacientes foram levados para hospitais de Jaraguá do Sul, Mafra e Canoinhas; 15 deles eram de UTI

Joinville, a maior cidade do Estado e classificada em situação gravíssima, já transferiu 40 pacientes com o novo coronavírus para hospitais da região.

A informação é do secretário de Saúde de Joinville, Jean Rodrigues da Silva. As transferências, que começaram há 15 dias, foram para os hospitais de Jaraguá do Sul, Mafra e Canoinhas. Dos 40 pacientes, 15 era de UTI e os outros de enfermaria.

No total, Joinville dispõe de 128 leitos de UTI entre as redes pública e privada e a ocupação, segundo o último boletim divulgado pela Prefeitura, é de 89%. Restam 14 leitos na cidade. Na rede pública, no entanto, há apenas duas vagas no Hospital Regional.

Veja como está a ocupação de leitos de UTI por hospital:

Hospital Municipal São José: 40 leitos (100% de ocupação)
Hospital Bethesda: 10 leitos (100% de ocupação)
Hospital Regional Hans Dieter Schmidt: 20 leitos (90% de ocupação)
Hospital Dona Helena:  24 leitos (79% de ocupação)
Hospital Unimed: 29 leitos (86% de ocupação)
Hapvida: 5 leitos (40% de ocupação)

Por conta da escassez de medicação básica para tratamento da Covid-19 que impacta vários hospitais do Estado, o secretário de Saúde informou que, junto com os pacientes, o município manda toda a medicação necessária.

Além disso, o Hospital São José conta hoje com uma ambulância toda equipada – UTI Móvel Avançada- para facilitar e agilizar a transferência de pacientes para outras unidades da região.

Jean Rodrigues explica que hoje quando um paciente com o novo coronavírus chega em um Pronto Atendimento em situação grave, o município já acessa a rede de regulação para ver onde há leitos disponíveis.

“O município e o Hospital São José estão dando todo o suporte aos pacientes. O importante é não deixar ninguém sem leito”, destacou o secretário.

Quanto à falta de medicamentos básicos, como anestésicos e sedativos, que, inclusive, está impedindo a abertura dos oito novos leitos prometidos no Hospital Bethesda (conveniado com a Prefeitura), Jean garantiu que o município fará todos os esforços para conseguir os remédios e ativar as UTIs.

Hilário Dalmann, diretor executivo da Instituição Bethesda, explicou que fez um pedido em julho à Secretaria de Estado da Saúde, mas os medicamentos só devem chegar em 30 dias.

“Estamos nos virando com empréstimo de medicamentos – do município – para atender aos dez pacientes que já estão internados na UTI. Até para comprar, está difícil. Das mil ampolas que pedimos ontem (terça, dia 4), só vieram  50”, complementa Hilário.

Diante do cenário, nenhum paciente em estado grave está sendo recebido pelo Hospital Bethesda.

+

Saúde