Joinville tem mais de 250 crianças com coronavírus; veja quais os principais sintomas

Pediatra do Hospital Infantil de Joinville, onde há duas crianças internadas com Covid-19, explica os sintomas mais comuns em crianças e fala quando os pais devem procurar atendimento

Mesmo que as evidências científicas atuais comprovem que o novo coronavírus afete menos frequência e menor gravidade as crianças em relação aos adultos, a morte de um menino de 12 anos em Gaspar acendeu um alerta.

Samuel Miranda de Oliveira era alegre, brincalhão e dedicado e não tinha comorbidade. Ele morreu vítima da Covid-19 na madrugada da última quinta-feira (6), no Hospital Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Gaspar.

Joinville tem hoje mais de 250 crianças com o novo coronavírus. Apenas entre zero e dez anos, são 251 crianças hoje, o que representa pouco mais de 2,2% dos 11.118 casos confirmados na cidade.

Quanto ao sexo, há um equilíbrio, como mostra o quadro abaixo que traz os casos entre crianças entre um e dez anos. Até um ano, são 5 casos.

Duas crianças internadas no Infantil

Nesta segunda-feira (10), no Hospital Infantil Jeser Amarante Faria, em Joinville, há duas crianças internadas, mas desde o início da pandemia já passaram dez crianças.

A  pediatra do Hospital Infantil, Thayane Augusto Damasio, explica que somente são testadas as crianças que apresentam gravidade e necessitem de internação hospital ou uso de oxigênio, seguindo orientações da Vigilância Epidemiológica e do Ministério da Saúde.

Os quadros leves, segundo ela, apresentam poucos ou nenhum sintoma, que podem ser tratados em casa.

Sintomas mais comuns em crianças

A pediatra destaca, ainda, que os sintomas mais comuns da Covid-19 em crianças são coriza hialina, tosse seca, dor de garganta, febre baixa (na maioria dos casos); e em alguns casos diarreia e vômitos associados.

Os pais devem procurar atendimento médico quando perceberem desconforto respiratório na criança, febre há mais de três dias, incapacidade de ingerir sólidos ou líquidos, vômitos persistentes ou alteração do estado de consciência.

“Caso contrário, não necessita procurar um médico”, recomenda a pediatra.

Prevenção

Segundo a pediatra, a melhor prevenção com relação a doenças infecciosas, como o coronavírus, é o isolamento social. O uso de máscara só é recomendado para crianças acima de dois anos, lembra a profissional.

Perguntada sobre se há medicamento para aumentar a imunidade das crianças, Thayane Damasio explica que não há milagre. O que deve ser feito, indica ela, é uma alimentação balanceada, manter um peso adequado para idade e ter sono adequado.

A única suplementação que deve ser usada é a mesma que a Sociedade Brasileira de Medicina preconiza: uso de vitamina D e ferro até os dois anos de idade.

+

Saúde