Meta é vacinar 1 milhão de brasileiros por dia, diz ministro da Saúde

Novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reuniu a imprensa para divulgar as novas ações e estratégias do governo federal no combate à Covid-19

Na primeira entrevista coletiva após assumir o cargo de ministro da Saúde, Marcelo Queiroga prometeu nesta quarta-feira (24) que “em curto prazo” o Brasil terá 1 milhão de pessoas vacinadas contra a Covid-19 por dia. As informações são do Portal R7.

Marcelo Queiroga durante entrevista coletivaMeta é vacinar 1 milhão de brasileiros por dia, diz ministro da Saúde. Marcelo Queiroga concedeu a primeira entrevista coletiva nesta quarta-feira (24) – Foto: Alan Santos/PR/ND

Conforme o atual ministro da saúde, o Brasil está vacinando cerca de 300 mil pessoas por dia. Porém, a expectativa, em curto prazo, é aumentar a taxa para 1 milhão de pessoas vacinadas por dia.

“ É uma meta plausível, temos condições até de ampliar ainda mais. Não quero me comprometer porque precisamos buscar mais vacinas”, justificou Queiroga.

O cardiologista Marcelo Queiroga foi escolhido no último dia 15 para substituir Eduardo Pazuello e empossado na última terça-feira (23), em uma reunião fechada.

Em menos de um ano, ele é o quarto a ocupar o cargo de ministro da Saúde, posição que foi dos médicos Luiz Henrique Mandetta, até 16 de abril de 2020, e de Nelson Teich, por 29 dias.

Autonomia

Queiroga também afirmou que o presidente Jair Bolsonaro o autorizou a nomear todos os secretários da pasta, que atualmente tem dezenas de militares em cargos de chefia.

O secretário-executivo será Rodrigo Castro, servidor de carreira do Ministério da Economia. A Secretaria de Atenção Especializada à Saúde ficará com o médico ortopedista Sérgio Okane, do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

O novo ministro anunciou ainda a criação de uma secretaria especial de combate à covid-19.

“Essa secretaria vai cuidar somente da pandemia, porque nós sabemos que além da pandemia, as pessoas continuam tendo doenças cardiovasculares, tendo câncer e outros males que nos espreitam no nosso dia a dia. O Ministério da Saúde precisa continuar atendendo todos esses pacientes.”

Cloroquina

Questionado sobre o protocolo criado sob a gestão de Pazuello que indica cloroquina/hidroxicloroquina e azitromicinapara tratamentos da Covid-19, Queiroga disse que a diretriz “não existe” no ministério e falou em “olhar para a frente e buscar o que existe de comprovado”.

“É isso que o Ministério da Saúde vai fazer. Nós instituímos dentro da secretaria especial de combate à pandemia um núcleo técnico que vai ser coordenado pelo professor Carlos Carvalho, titular Universidade de São Paulo, que vai coordenar os protocolos assistenciais da covid.”

Todavia, o novo ministro também defendeu a autonomia dos médicos para fazer uso off-label (sem que conste a doença na bula) dos medicamentos que julgarem necessário para fazer o tratamento da covid-19.

Lockdown

No dia em que o Brasil deve bater a marca de 300 mil mortos por covid-19, Queiroga criticou o lockdown como forma de conter o avanço do vírus.

“Quem quer um lockdown? Ninguém quer lockdown. O que nós temos, do ponto de vista prático, é adotar medidas sanitárias eficientes que evitem o lockdown. Até porque a população não adere ao lockdown. Vacina é importante, mas o uso de máscaras é fundamental. Precisamos usar máscaras, precisamos manter um certo distanciamento. Vamos buscar uma maneira de disciplinar essa movimentação social, esse distanciamento para que se evite a figura do lockdown e tenhamos políticas eficientes.”

Segundo ele, uma comissão que será comandada pelo presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), está incumbida de buscar soluções para o distanciamento social.

Confira a entrevista completa:

* Com informações da Agência Brasil.

+

Saúde