“Não é lockdown isolado que vai resolver”, diz médico de Chapecó

Município vive uma explosão de casos positivos de coronavírus

A explosão de casos positivos e o aumento no número de mortes em decorrência da Covid-19 levou a Prefeitura de Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, a adotar medidas severas para desacelerar o avanço da pandemia de coronavírus. Bares, igrejas, parques e praças foram fechados pelo município como parte das ações já anunciadas.

Prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD) – Foto: Foto: Leandro Schmidt/NDPrefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD) – Foto: Foto: Leandro Schmidt/ND

Mesmo assim, em oito dias a cidade registrou 31 mortes provocadas pela doença respiratória. A possibilidade de lockdown (confinamento total) foi descartada pelo prefeito João Rodrigues (PSD).

O gestor avalia que a medida rígida, que é adotada durante situações extremas, não teria o efeito esperado. Mais de 50 municípios da região adotaram medidas restritivas com base nos decretos de Chapecó.

Representantes de entidades, como Acic (Associação Comercial Industrial Chapecó) e Sicom (Representante Sindical das Empresas do Comércio da Região de Chapecó), apoiaram a decisão da administração em tomar medidas restritivas sem fazer lockdown. O diretor hospitalar da Unimed, Mário Goto, disse que é necessária uma ação conjunta do Estado.

 “Não é lockdown isolado que vai resolver, precisa ter uma visão mais sistêmica do Estado, de monitorar as restrições em todos os municípios da região, para ter mais efeito. De nada adianta Chapecó fazer lockdown e todos os municípios da região e redondeza não fazerem a parte deles e não ter uma fiscalização por parte dos governantes. É um problema estadual”, disse

Há uma preocupação dos médicos em relação à agressividade do vírus. O médico Diego Bet destacou nesta segunda-feira (22) que o atendimento voluntário por telemedicina já teve cerca de 200 ligações e pelo menos 500 pessoas foram orientadas, o que evita pessoas que não são graves irem para as unidades de saúde.

Alguns profissionais sugeriram reforçar a prevenção para diminuir o agravamento dos pacientes e a superlotação nos hospitais e ambulatórios.

Leitos de UTI 

O HRO (Hospital Regional do Oeste) informou que está com 62 pessoas em leitos de UTI e outras 24 com cuidados de UTI, mas em outros leitos. Isso mesmo com a abertura de 22 leitos de UTI nos últimos dias. Outras 20 pessoas estão internadas na UPA.

Além dos leitos de UTI foram abertos mais 50 leitos de enfermaria nos últimos dias, no HRO. E outros 20 devem ser abertos dentro de dez dias, com a contratação de uma empresa de Cuiabá, que disponibilizará leitos e profissionais.

O prefeito João Rodrigues, em conversa com o secretário estadual de Saúde, André Motta Ribeiro, também alinhou a abertura de mais 50 vagas de enfermaria no HRO.

Novas medidas 

Após nova reunião do Comitê de Enfrentamento à Covid, na manhã desta segunda-feira (22), a Prefeitura de Chapecó informou que irá publicar um decreto fechando praças e parques.

A decisão foi tomada após a Guarda Municipal constatar aglomerações e ter fechado alguns espaços, como Verdão e Ecoparque, no final da tarde de domingo (21). Antes os espaços estavam fechados das 20h às 6h.

“Vamos fechar os parques como Verdão, Ecoparque e praças devido às aglomerações. O pessoal poderá caminhar na rua. Também vamos colocar servidores que não são da área da Saúde e que possam trabalhar em casa no sistema de home office”, disse o prefeito.

Acesse e receba notícias de Chapecó e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Saúde