ND Explica: o que se sabe sobre a vacina Coronavac em SC

Na última quinta (22), o diretor do Instituto que produz a vacina no Brasil falou sobre o tema na Alesc; municípios preparam orçamentos para comprar imunizantes

Avançam no Brasil as discussões sobre uma vacina contra a Covid-19. Em São Paulo, a administração estadual anunciou compras de doses e se preparam para a produção em solo brasileiro.

Com mais de 10 mil casos ativos de infectados pelo novo coronavírus, Santa Catarina deve aderir a um plano nacional de imunização, coordenado pelo Ministério da Saúde. Mesmo assim, há municípios reservando parte do orçamento para a compra de doses.

ND Explica: o que se sabe sobre a vacina Coronavac em Santa Catarina – Foto: Divulgação/Instituto ButantanND Explica: o que se sabe sobre a vacina Coronavac em Santa Catarina – Foto: Divulgação/Instituto Butantan

Das quatro vacinas em fase 3 — etapa que mede a eficácia e a segurança do imunizante —, a chinesa Coronavac está no centro dos debates políticos que envolvem até mesmo o presidente Jair Bolsonaro.

Produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac, ela também deverá estar disponível no país através de um acordo de transferência de tecnologia feito entre o laboratório estrangeiro e o Instituto Butantan, de São Paulo.

Na última quinta-feira (22), uma reunião da Comissão de Saúde da Alesc (Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina), ouviu o diretor de Estratégia Institucional do Butantan, Raul Machado Neto.

Durante a sessão, realizada de forma remota, Raul explicou que a vacina vai começar a ser transferida para envase no Butantan, mas o primeiro lote já virá pronto para utilização. Na segunda-feira (26), o governador de São Paulo, João Dória (PSDB) anunciou que 6 milhões de doses devem chegar até o dia 2 de novembro.

Mesmo com a chegada das doses ainda é preciso que a fase dos testes clínicos seja concluída e que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorize a aplicação da vacina.

A vacina Coronavac está na fase três de testagem. Nesta etapa, 13 mil voluntários brasileiros, da área da saúde, participam do estudo.

Coronavac em Santa Catarina

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, e a superintendente de Vigilância em Saúde, Raquel Ribeiro Bittencourt, também participaram da reunião. Motta Ribeiro afirmou que o Estado irá participar da estratégia centralizada pelo Ministério da Saúde.

“Temos participado de todas as discussões e vemos com bastante admiração e respeito tudo que está sendo feito pelo Instituto Butantan. A ação de compra de uma vacina é centralizada no Ministério da Saúde, mas o Estado está preparado para a eventualidade de precisar tomar alguma ação específica”, disse o secretário.

SC tem mais de 10 mil casos ativos de infectados pelo novo coronavírus – Foto: Arquivo/Flávio Tin/NDSC tem mais de 10 mil casos ativos de infectados pelo novo coronavírus – Foto: Arquivo/Flávio Tin/ND

A posição foi reafirmada em questionamento feito pela reportagem do ND+ junto à SES (Secretaria de Estado da Saúde). O órgão informou ainda que não há nenhuma tratativa com empresas para compra ou realização de testes de vacinas.

O Ministério da Saúde chegou a anunciar a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac para inclusão no Programa Nacional de Imunização. Contudo, a decisão do ministro Eduardo Pazuello, foi revogada pelo presidente Jair Bolsonaro.

SC tem testes com vacina

Outra vacina, a do grupo americano Johnson & Johnson, deve ser testada em voluntários catarinenses por meio de uma parceria entre a empresa e um grupo de pesquisadores do Hospital São José, em Criciúma.

Diferente do imunizante chinês, essa vacina precisaria de apenas uma dose para gerar imunidade. No caso da americana não há acordo para transferência de tecnologia.

Os testes com a vacina da Johnson & Johnson, que foram autorizados em 11 estados do Brasil, tiveram de ser paralisados no início de outubro após um dos voluntários apresentar uma doença inexplicada.

A empresa prepara a volta dos testes nos Estados Unidos e depende de autorização da Anvisa para retomar as testagens no Brasil.

A expectativa é que os testes da vacina em Santa Catarina retornem com segurança assim que a Anvisa autorize a continuidade. No entanto, ainda não existe um prazo para a autorização e retomada dos estudos.

Prefeituras reservam recursos

Em meio à discussão sobre a compra da vacina, prefeituras de Santa Catarina já reservam recursos para a compra de doses em 2021.

Na Capital, a prefeitura encaminhou à Câmara uma emenda que destina R$ 20 milhões do orçamento municipal de 2021 para a compra de doses da vacina contra a Covid-19. A aquisição será feita após a liberação do Ministério da Saúde e Anvisa.

Conforme publicado pelo colunista do ND+, Fabio Gadotti, o objetivo é permitir que “Florianópolis tenha autonomia para imunização” da população contra o coronavírus.

O projeto orçamentário de 2021 destina outros R$ 30 milhões para custeio de demais despesas com o enfrentamento da pandemia, como aquisição de equipamentos e de testes.

Em entrevista ao ND+, o secretário de saúde de Joinville, Jean Rodrigues, afirmou que já está previsto no orçamento do próximo ano R$ 100 milhões em recursos para a compra de vacina contra o novo coronavírus.

Mesmo com a reserva financeira não há ainda uma definição se a compra será feita diretamente com os laboratórios ou por meio de importação. Três laboratórios são sondados, entre eles o Instituto Butantan que deve produzir doses da chinesa Coronavac.

+

Saúde