Nosso Jeito de Cuidar da Unimed Grande Florianópolis ganha ações inovadoras na pandemia

Com o coronavírus, plano de saúde se reinventou para acolher pacientes em atendimento humanizado

Visita virtual ajuda a amenizar a saudade de familiares e amigos – Foto: DivulgaçãoVisita virtual ajuda a amenizar a saudade de familiares e amigos – Foto: Divulgação

Ao longo de suas histórias, o Hospital Unimed e o Pronto Atendimento Infantil realizam ações de atendimento humanizado, mas a partir de agosto de 2019, quando foi instituído o posicionamento Nosso Jeito de Cuidar, outras iniciativas passaram a integrar as ações de acolhimento com o paciente, e precisaram ser reinventadas com a pandemia do novo coronavírus.

Antes da COVID-19 chegar ao Estado, atividades presenciais em comemoração ao aniversário dos pacientes, além dos projetos Tarde de Cinema com Pipoca, visita dos Enfermeiros da Alegria, Musicoterapia, visita estendida, leitura de histórias para pacientes mirins ocorriam com frequência no Hospital Unimed. 

A alegria de receber os PETs

Outra iniciativa antes da pandemia que também representou o aspecto humanizado foi a visita PET. Na época, as equipes do Hospital Unimed organizaram, em acordo com as medidas de segurança pelos órgãos de saúde e sanitários, o encontro entre um paciente internado e o seu animal de estimação, o cachorro Noel.

Para realizar a visita, Noel foi acompanhado de uma adestradora, recebeu cuidados veterinários e de higiene antes de encontrar o seu amigo. A vontade de ver o Noel partiu do próprio paciente e foi possível, também, pelo Projeto de Lei (PL) 355/2019, de autoria da deputada Marlene Fengler (PSD), que permite desde novembro de 2019 a entrada de animais domésticos e de estimação em todos os hospitais de Santa Catarina.

Observa a deputada Marlene Fengler que a Lei não obriga, mas autoriza hospitais a aderir à iniciativa. A parlamentar comemorou a sanção de seu projeto e afirma que, com a Lei, os PETs levarão mais alegria aos pacientes.

 “A lei permite que hospitais que acreditam nos benefícios da presença dos PETs e que estejam preparados e queiram implantar o projeto, possam fazê-lo.” 

 As ações inovadoras da atualidade

Com a pandemia, instituições de todo o mundo precisaram se reinventar. E não foi diferente no Hospital Unimed. Hoje, o dinamismo continua pelo Nosso Jeito de Cuidar, mas de forma ainda mais segura, sempre focado no acolhimento, com carinho, empatia e humanização para proteger pacientes e seus familiares.

Desde abril deste ano, o Hospital Unimed trabalha para minimizar a saudade entre familiares e pacientes internados. Por medida de segurança, as visitas precisaram ser interrompidas, mas com a ajuda dos profissionais de saúde, videochamadas encurtam distâncias, permitindo a aproximação do paciente e do familiar, com o apoio da tecnologia.

Quem presenciou esse momento foi o paciente Mohamad Ali Younes, de 36 anos. Após ficar internado 10 dias no Hospital Unimed, ele recuperou-se da COVID-19 e pôde, enfim, receber o abraço da família. Enquanto permaneceu na unidade hospitalar, as conversas eram feitas por videochamadas pelo celular, com a ajuda da equipe de médicos e enfermeiros que conectaram-no com os familiares.

 Para o diretor do Hospital Unimed e dos Serviços Próprios, Dr. Gabriel Gustavo Longo, a visita virtual cumpre um importante papel preventivo e de segurança com a saúde. 

“Essa iniciativa foi muito bem recebida pelos pacientes internados e seus familiares. Com um número menor de pessoas circulando dentro da uma unidade hospitalar, o risco de transmissão do coronavírus e de outros agentes de contaminação é reduzido”, afirma.

Desde que as visitas virtuais iniciaram em abril, grande parte dos pacientes internados conectaram-se com seus familiares.

Acolhimento familiar

Familiares são tranquilizados e ficam bem informados sobre o atendimento. – Foto: Getty Images/iStockphoto/NDFamiliares são tranquilizados e ficam bem informados sobre o atendimento. – Foto: Getty Images/iStockphoto/ND

Assistentes sociais e psicólogos também têm trabalhado fortemente na pandemia, para levar mais conforto aos pacientes e seus familiares. Antes da pandemia, o Hospital Unimed estendia as visitas de familiares por até 12 horas, após a equipe da instituição observar melhoras significativas, especialmente emocionais no quadro clínico do paciente. 

Atualmente, com a pandemia, todos os dias a psicóloga Larissa Fontana e a assistente social Sueli Antunes de Oliveira conversam com os familiares, levam alento, carinho e esperança a eles. Os formatos da comunicação variam, podendo ser uma conversa presencial, por mensagens de texto, telefonemas ou videochamadas pelo celular. 

“Encontramos uma maneira de acolhê-los para que possam falar de suas dúvidas, medos, angústias, incertezas em virtude da impossibilidade de estarem com o paciente”, explica a psicóloga Larissa. 

Para a assistente social Sueli, o vínculo entre familiar e paciente sempre esteve presente na rotina do Hospital Unimed, mas ficou mais forte durante a pandemia por conta do fator saudade, razão pela qual as profissionais procuram acompanhar a família durante todo o processo de internação do parente. 

“Uma escuta humanizada pode parecer algo simples, mas é significativo para dissolver qualquer sintoma de angústia, ansiedade ou insegurança que a restrição da visita presencial pode causar, nesse momento”, considera Sueli.

Dia do Desejo

Especialmente para os pacientes que estão internados por período prolongado no Hospital, a equipe de enfermagem realiza o desejo, como forma de retomar as lembranças e os sentidos que lhes faziam bem, antes da internação. Aulas de artes, artesanato, desenho, entre outros foram alguns desejos realizados aos pacientes. 

Modelo de atendimento lúdico

<span style="font-weight: 400;">Médica pediatra e responsável técnica da Unidade Infantil, Anamar Lúcia Brancher. </span>&#8211; Foto: DivulgaçãoMédica pediatra e responsável técnica da Unidade Infantil, Anamar Lúcia Brancher. – Foto: Divulgação

O Pronto Atendimento Infantil da Unimed Grande Florianópolis também implantou um modelo de atendimento, por meio do sistema de classificação de risco. A mudança segue o protocolo internacional que prioriza o atendimento imediato para pacientes mais graves. 

A médica pediatra e responsável técnica da Unidade Infantil, Anamar Lúcia Brancher, explica que o sistema de classificação leva em consideração diversos aspectos, como sinais vitais, febre, traumas ou dores, para identificar a prioridade do atendimento. 

“O acolhimento dos pacientes é feito por um enfermeiro, que também classifica o nível de gravidade da enfermidade do paciente. A prioridade de atendimento é feita por cores”, relata.

A Liga dos Heróis

Para reforçar essa metodologia foi convocada a Liga dos Heróis da Unimed. A liga é formada por personagens, de modo que cada Herói é identificado pela cor que representa a prioridade de atendimento.

Para os casos de emergência, cor vermelha, é acionado o Raio, pois o paciente precisa de atendimento imediato; nos casos de urgência, cor amarela, quem aparece é o Tufão, pois requer que o atendimento seja rápido. Em situações de menor gravidade é acionado o Terremoto, cor verde, e em casos ambulatoriais é convocada a Rajada, cor azul.

“A proposta da Liga dos Heróis foi criada com o intuito de abordar um assunto sério, que é a doença, de maneira suave e lúdica. Nossa intenção é sensibilizar os pais quanto à prioridade de atendimento, mas deixando-os tranquilos de que seus filhos receberão atendimento o mais breve possível”, ressalta Anamar.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo

+

Unimed – Nosso jeito de cuidar