Nota de alerta da Saúde recomenda que municípios acelerem vacinação em SC

Ampliação do horário de atendimento, realização de vacinação domiciliar e no esquema “drive-thru” são algumas das orientações da DIVE

Com quase 10% da população de Santa Catarina de casos confirmados da Covid-19 (694.274 pessoas), 7.709 mortes e 100% dos leitos de UTI ocupados, a DIVE/SES (Diretoria de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Estado da Saúde) passou nota de alerta para que os municípios intensifiquem a vacinação.

A recomendação enviada nesta quinta-feira (4) sugere iniciativas para aumentar o número de pessoas imunizadas, além de destacar que a vacinação é a maneira mais eficaz de conter a pandemia.

Vacinação pelo sistema “drive-thru” é uma das iniciativas sugeridas – Foto: Flávio Fernandes/Divulgação/NDVacinação pelo sistema “drive-thru” é uma das iniciativas sugeridas – Foto: Flávio Fernandes/Divulgação/ND

A nota orienta sobre a necessidade de aumentar os esforços no sentido de definir estratégias para que, a partir do recebimento das vacinas, a imunização dos grupos ocorra de forma célere.

O comunicado alerta para a necessidade de ampliação do horário de atendimento ou oferecimento de horários alternativos para vacinação; a realização de vacinação domiciliar para pessoas com dificuldade de locomoção; a vacinação no esquema “drive-thru”, entre outras iniciativas.

“O Estado tem recebido pequeno quantitativo de doses, mas elas têm vindo com certa frequência, praticamente todas as semanas, portanto essas doses não podem ficar paradas. A nossa orientação é para que elas sejam aplicadas assim que chegarem aos municípios. Caso um município encerre a vacinação nos idosos com 80 ou mais, por exemplo, ele tem autonomia para iniciar a vacinação nos idosos com 79 anos, 78 anos e assim sucessivamente”, explica a gerente de imunização da DIVE, Arieli Fialho.

O documento da DIVE também anota que é importante acompanhar e monitorar os vacinados e manutenção dos registros do quantitativo de doses aplicadas.

As orientações

  • Ampliação do horário de funcionamento das unidades de saúde e/ou horários alternativos;
  • Realização de ações extramuros de acordo com as especificidades dos grupos elencados para vacinação;
  • Realização de vacinação domiciliar para aqueles com dificuldade de locomoção, como idosos, pessoas portadoras de necessidades especiais, entre outros;
  • Realização de vacinação na modalidade “drive-thru”;
  • Busca ativa nos grupos prioritários que apresentem baixa cobertura vacinal.
+

Saúde