Pai de menino morto por bicho peçonhento em SC tem suspeita e lamenta: ‘Só trazia alegria’

Brayan Gabriel Duarte dos Santos, de apenas dois anos, morreu no domingo (12) após não resistir ao veneno do animal que o picou no pescoço

“Falar sobre ele é o que me machuca mais. Onde ele passava só trazia alegria. Agora as orações me confortaram um pouco”. É assim que Ismael Duarte, 30 anos, lembra do filho Brayan Gabriel Duarte dos Santos, morto aos dois anos após ser picado por um animal peçonhento enquanto dormia.

Ismael Duarte com o filho Brayan – Foto: Arquivo pessoalIsmael Duarte com o filho Brayan – Foto: Arquivo pessoal

Poucas horas depois de sepultar o filho, Ismael conversou com a reportagem do ND+ e lembrou dos momentos que passou junto ao filho desde a hora em que viu a picada no pescoço do pequeno até a triste despedida.

“Agora eu só quero ver como vai ser daqui para frente. Ele era uma pessoa muito querida, amada por todos onde passava, a gente estava sempre junto, brincando, todo dia eu buscava ele, levava na escola… Está muito difícil”, lamenta, com a voz embargada.

O acidente

Ismael conta que o menino estava bem na noite de sexta-feira (10). Depois de buscar ele no CEI Primeiros Passos, creche municipal que Brayan frequentava, eles foram ao circo e o pequeno voltou para casa da mãe “a mil”.

O pai viu a picada no pescoço do filho quando foi buscar o menino no outro dia, por volta das 8h da manhã de sábado (11). A suspeita da família é de que o fato tenha ocorrido pouco antes disso, entre 6h e 7h da manhã. A mãe, Marisete dos Santos, a princípio achou que Brayan estivesse com algum machucado, então eles decidiram, primeiro, buscar ajuda na farmácia, que era mais próxima.

No local, o farmacêutico, que segundo Ismael é muito competente e ajuda a toda a comunidade, orientou que a família procurasse o hospital de Salete. Lá, os médicos avaliaram, medicaram Brayan e sugeriram que ele ficasse internado. Por conta da distância e pelo fato de que o pai e mãe não moram na mesma casa, o pai preferiu levar o menino novamente e se comprometeu a levá-lo de volta, caso a situação piorasse.

A picada no pescoço de Brayan evidencia que ele foi atacado por um animal peçonhento. Exames devem identificar o animal, mas o pai suspeita que o menino tenha sido atacado por uma lacraia – Foto: Arquivo pessoalA picada no pescoço de Brayan evidencia que ele foi atacado por um animal peçonhento. Exames devem identificar o animal, mas o pai suspeita que o menino tenha sido atacado por uma lacraia – Foto: Arquivo pessoal

Em casa, o pai disse que colocou o menino para descansar, mas entre 11h e 13h30 percebeu que ele continuava piorando e retornou ao hospital. “Ele já estava com febre alta. Os médicos olharam e já mandaram para Rio do Sul, que é a nossa referência aqui. Quando chegou lá fizeram todos os exames e foram medicando, mas o veneno já estava espalhando”, relembra.

O quadro de Brayan passou a piorar a cada hora, segundo o pai: o pequeno começou a ter sangramentos e recebeu sangue, a picada seguia inchando e os médicos relatavam que o veneno era, de fato, muito forte. Ismael conta que os médicos fizeram mais exames e perceberam que o veneno já havia atingido alguns órgãos, como o coração. Às 3h da madrugada de domingo (12) Brayan foi internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Ismael lembra que visitou o filho pela manhã e, apesar de medicado, percebeu o filho “normal”, sem uma evolução tão grave do quadro. Mas o pequeno não resistiu e morreu por volta das 17h. “O veneno já estava muito espalhado, no coração e ele não aguentou”, fala Ismael, explicando que Brayan teve uma parada cardíaca.

Exames vão indicar animal, mas pai tem suspeita

O corpo de Brayan foi levado para o IML (Instituto Médico Legal) de Lages. Conforme informações do IGP (Instituto Geral de Perícias), não foi possível precisar qual animal picou o menino apenas com os exames no local. Por isso, foi colhido material biológico do corpo que será analisado em laboratório.

O Estado também acionou o  CIATox/SC (Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina) para auxiliar nos exames. Mas, segundo Ismael, o prazo que foi repassado para o resultado é de quatro a cinco meses – um tempo longo e que vai custar a passar para sanar as dúvidas da família que enterrou o filho na manhã desta terça-feira (14).

Com a questão na cabeça, Ismael ficou repensando os acontecimentos durante o velório do filho e decidiu pesquisar: dor forte, inchaço, febre, pescoço paralisado. Ele conta que a desconfiança passou por aranha e escorpião, mas não encontraram nenhum vestígio.

Porém, enquanto pesquisava, Ismael lembrou que havia encontrado um pequeno pedaço de algo que não soube identificar no travesseiro do filho, que primeiro ignorou, mas depois achou que poderia ser um indício. Juntando as peças, o pai desconfia que o filho pode ter sido atacado por uma lacraia.

As lacraias, também conhecidas como centopeias, são animais peçonhentos – Foto: Reprodução/InternetAs lacraias, também conhecidas como centopeias, são animais peçonhentos – Foto: Reprodução/Internet

Conforme informações da Biblioteca Virtual em Saúde, do Ministério da Saúde, a lacraia, também conhecida como “centopeia”, é um caçador noturno de movimentos rápidos, tem o corpo adaptado para penetrar em frestas, onde se escondem durante o dia, e possui dois ferrões que atuam em forma de pinça para injetar veneno em suas presas.

Ismael diz que o animal é comum na região e relembra que conhecidos já passaram por episódios de acidentes – menos graves – com o animal. Ele ressalta que é só uma suspeita e diz que prefere aguardar o resultado dos exames, mas faz um alerta para que todos tomem cuidado.

“Meu filho não vou trazer de volta, mas eu podendo ajudar outros pais para não passar o que eu passei, já ‘tá’ bom, Porque eu não quero que nenhum pai passe o que eu passei, a agonia que ele passou e todos os momentos que eu passei junto com ele”, destaca Ismael.

Apesar de ser ainda uma suspeita, é importante tomar cuidado com qualquer tipo de animal peçonhento. As lacraias gostam de umidade e como circulam muito rapidamente, é comum entrarem nas casas, onde causam acidentes.

Veja cuidados que podem ser tomados para evitar acidentes:

  • Limpar os ralos semanalmente com creolina e água quente, e mantê-los fechados quando não em uso;
  • Limpar e manter fechadas as caixas de gordura e os esgotos;
  • Jardins devem ser limpos, a grama aparada e as plantas ornamentais e trepadeiras devem ser afastadas das casas e podadas para que os galhos não toquem o chão;
  • Porões, garagens e quintais não devem servir de depósito para objetos fora de uso que possam servir de esconderijo para as lacraias;
  • Os muros e calçamentos devem ser cuidados para que não apresentem frestas onde a umidade se acumule e os animais possam se esconder.

Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde – Ministério da Saúde

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Blumenau e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Saúde

Loading...