Pandemia em SC está ‘fora de controle’, com 60% dos casos ativos em três regiões

Boletim da UFSC aponta que houve uma explosão de casos ativos da Covid-19 em fevereiro, com crescimento de 113% em um mês

Com a vacinação encaminhada a passos lentos, o segundo mês do ano apresentou um quadro gravíssimo da pandemia da Covid-19 em Santa Catarina.

O número de casos da doença cresceu 5% entre os dias 19 e 26 de fevereiro. Isso representa um salto de 631.868 casos para 663.699, o que significa a infecção de 31.831 pessoas em apenas sete dias.

Cena de neta se despedindo do avô no Oeste marca avanço da pandemia em SC – Foto: Arvito Concatto/NDTV/NDCena de neta se despedindo do avô no Oeste marca avanço da pandemia em SC – Foto: Arvito Concatto/NDTV/ND

Três regiões ocupam um pódio nada invejável, pois concentraram 60% de todos os casos ativos da Covid-19 na última semana de fevereiro. São elas: Grande Oeste, Grande Florianópolis e Vale do Itajaí.

É o que aponta a edição de número 42 do boletim publicado pelo Necat (Núcleo de Estudos e Economia Catarinense) da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) no último sábado (27). Não por acaso, o título do boletim é “A Covid-19 está fora de controle em Santa Catarina”.

Explosão dos casos ativos

De acordo com o boletim, assinado pelo professor Lauro Mattei, observou-se “uma verdadeira explosão dos casos ativos com taxas de crescimento que nunca tinham sido vistas ao longo de quase um ano de pandemia.”

Três regiões de SC concentram 60% dos casos ativos de Covid-1. Grande Florianópolis está entre elas – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/NDTrês regiões de SC concentram 60% dos casos ativos de Covid-1. Grande Florianópolis está entre elas – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/ND

Houve um aumento de 113% de casos ativos do final do mês de janeiro (dia 29) ao dia 26 de fevereiro. Do dia 12 de fevereiro ao dia 26, o crescimento foi de 78%, o que aponta uma forte aceleração desse indicador.

Em termos absolutos, na semana considerada pelo boletim (19-26 de fevereiro), o Estado bateu um novo recorde dos casos ativos, atingindo a maior marca desde o início da pandemia, com mais de 35 mil registros ativos.

Aumento de casos ativos nas regiões

O Necat considera que na semana analisada ocorreu uma elevação dos casos ativos em todas as mesorregiões do Estado. Contudo, os maiores percentuais foram registrados no Sul (67%), na Grande Florianópolis (44%) e no Grande Oeste (40%), enquanto no Alto Vale do Itajaí o aumento foi de 19%.

Essas distintas taxas de crescimento, conforme o estudo, acabaram influenciando o percentual de participação de cada região no agregado estadual.

Desta forma, observou-se que o Grande Oeste passou a responder por 25% de todos os casos ativos do Estado, enquanto a Grande Florianópolis respondia por outros 20% e o Vale do Itajaí 13%.

“Assim, quase 60% de todos os casos ativos na data considerada estavam localizados nestas três macrorregiões.”

O boletim considera que esse comportamento verificado na última semana, com expansão dos percentuais de casos ativos em praticamente todas as mesorregiões, indica que a dinâmica atual da doença continua exigindo medidas sanitárias rigorosas para que a pandemia possa ser controlada.

50 mortes por dia

Entre os dias 19 e 26 de fevereiro, a média semanal móvel de casos foi de 4.547 registros diários, enquanto a média semanal móvel de óbitos foi de 50 mortes por dia, ambos indicadores acima do patamar da semana anterior.

Na data de publicação do boletim, mais de 668 mil pessoas já haviam contraído a doença no Estado e 7.314 delas perderam a vida. Na última semana de fevereiro, foram 350 mortes.

Carros de funerárias diariamente são vistos retirando corpos em hospital de Chapecó, vítimas na grande maioria pelo novo coronavírus – Foto: Reprodução vídeo/DivulgaçãoCarros de funerárias diariamente são vistos retirando corpos em hospital de Chapecó, vítimas na grande maioria pelo novo coronavírus – Foto: Reprodução vídeo/Divulgação

“Esses indicadores explicitam a realidade da doença em Santa Catarina, não permitindo às autoridades públicas estaduais afirmarem que o estado possui a melhor política de combate à Covid-19 do país. Ao contrário, o que temos visto ultimamente é uma situação caótica em praticamente todas as mesorregiões do Estado”, afirma o documento.

Do ponto de vista da velocidade do contágio, no mês de fevereiro, a cada 3-5 dias foram registrados 20 mil novos casos. Isso faz com que Santa Catarina detenha a 4ª maior taxa de incidência da doença do país a cada 100 mil habitantes (9.263,3), valor que é 1,86 vezes a taxa do país (4.975,4).

De maneia geral, o estudo afirma que esses níveis expressivos de infecção da população apontam que “os mecanismos de controle adotados até o presente momento são pouco eficientes para achatar a curva de contágio e, consequentemente, evitar o número expressivo de óbitos que continuam ocorrendo diariamente.”

Governo aguarda resultados de ações

O governo estadual discutiu ações de enfrentamento da pandemia da Covid-19 com secretários de Estado e chefes dos órgãos de controle de Santa Catarina em uma audiência na tarde desta segunda-feira (1º).

O governador Carlos Moisés destacou as medidas já tomadas pelo Estado e a necessidade de se aguardar os resultados do decreto que estabeleceu o fechamento dos serviços não essenciais durante os fins de semana.

O chefe do Executivo também reforçou o incremento na fiscalização, com 500 policiais militares atuando exclusivamente nesse quesito e apontou que SC teve o maior índice de isolamento social do Brasil no domingo (28) e o segundo maior no sábado.

+

Saúde