Moacir Pereira

Notícias, comentários e análises sobre política, economia, arte e cultura de Santa Catarina com o melhor comentarista politico de Santa Catarina. Fundador do Curso de Jornalismo da UFSC, da Academia Catarinense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, é autor de 53 livros publicados.


Pandemia: os bons exemplos do oeste catarinense

O equilibrio entre proteção da saude e preservação dos empregos em Chapecó

Ao ultrapassar a barreira dos mais de mil mortes em Santa Catarina, a pandemia do coronavirus mostrou o grande temor que provoca na maioria da população.  Esta tragédia está a exigir maior conscientização de todos e integração de esforços das autoridades nos tres níveis de poder. Sobretudo, a eliminação do caráter partidário e ideológico dado ao tratamento precoce.  Os ricos de todas as latitudes, quando contaminados,  estão se medicando e se curando. Por que negar o direito a saúde aos pobres?

No meio da calamidade a melhor noticia vem outra vez do oeste catarinense.  Chapecó é o primeiro em geração de empregos em Santa Catarina e o sétimo no Brasil.  É o único com saldo positivo com geração de 1.700 postos de trabalho durante o primeiro semestre.

Dois fatores a ressaltar:  1.Os frigoríficos nunca pararan. Já tem protocolos sanitários rigorosos e multiplicaram os cuidados. O transporte coletivo dos trabalhadores nas indústria funcionou todos os dias, também com rigidez nas medidas de proteção; 2. Um Comitê com 37 pessoas, representando os principais segmentos ligados a saúde e ao setor produtivo, ficou as restrições e as recomendações, numa exemplar integração presidida pelo prefeito Luciano Buligon.

Resultado: com 19 mortes, Chapecó tem apenas 0,3% de letalidade, contra 1,3% de Santa Catarina e 3,9% do Brasil. Com 19 mortos, está em 16º lugar no Estado.

No oeste se trabalha – e muito – de sol a sol, de segunda a domingo, com qualquer tempo, produzindo alimentos para o Brasil e o mundo, gerando empregos, aumentando arrecadação e dinamizando a economia.

*