Pazuello pede a consórcio de vacinas atenção especial para o Brasil

País tem direito a 42,5 milhões de vacinas contra a Covid-19 neste ano através do Covax Facility

Em reunião com representantes da aliança mundial de vacinas Gavi, nesta terça-feira (9), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pediu especial atenção para o Brasil na distribuição de vacinas pelo grupo internacional Covax Facility, coordenado pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello pediu uma atenção especial ao Brasil na distribuição de vacinas contra a Covid-19 – Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil; /Agência Brasil/Divulgação/NDO ministro da Saúde, Eduardo Pazuello pediu uma atenção especial ao Brasil na distribuição de vacinas contra a Covid-19 – Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil; /Agência Brasil/Divulgação/ND

O Covax Facility é formado por governos e fabricantes de vacinas. Nele são negociados quantitativos dos produtores e é definida a distribuição para os países que fazem parte, buscando o objetivo proclamado pela OMS de garantir uma equidade na oferta das vacinas.

O Brasil tem direito a 42,5 milhões de vacinas neste ano pela Covax Facility. Pazuello pediu uma atenção especial ao Brasil devido à situação epidemiológica pela qual o país passa no momento. “Nós temos quase 40 mil postos de vacinação e temos o maior programa de vacinação o mundo. Precisamos barrar o vírus com vacinas. Precisamos vacinar a população”, disse.

A previsão é que o Brasil receba 2,9 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca neste mês e mais 6,1 milhões em abril.

Segundo comunicado oficial do Ministério da Saúde, o presidente da aliança Gavi, José Manuel Barroso, afirmou que fará “o que for possível” para atender aos pedidos do governo federal, mas não deu maiores detalhes de melhoria das condições de recebimento de imunizantes.

+

Saúde