Poder público diverge na contagem de leitos de UTI em Santa Catarina

Enquanto a prefeitura de Balneário Camboriú divulga que há 26 leitos de UTI disponíveis para atendimento de Covid-19, o Estado publica que há 42 leitos ativos no município

A crescente contaminação pelo novo coronavírus começa a refletir nos hospitais catarinenses. Os números de pacientes internados por causa da doença estão aumentando diariamente.

As informações divulgadas pelo poder público ainda são desencontradas e não esclarecem a situação de pré-colapso que vive o sistema de saúde.

Enquanto as prefeituras contabilizam a ocupação levando em conta os leitos disponíveis para atendimento do novo coronavírus, o Estado divulga por meio dos boletins diários e na página especial sobre Coronavírus o número de todos os leitos ativos em cada município.

Como nem todos os leitos estão direcionados ao atendimento de pacientes com Covid-19, a diferença de entendimento tem causado confusão. 

Na região da Foz do Rio Itajaí, por exemplo, onde há apenas três hospitais que recebem pacientes infectados pela Covid-19, a conta dos leitos não fecha.

No Hospital Ruth Cardoso, a prefeitura de Balneário Camboriú contabiliza 26 leitos de UTI para atendimento de coronavírus. No Portal de Transparência do Estado e em boletins diários enviados para a imprensa, no entanto, a Secretaria de Estado da Saúde afirma que há quase o dobro: 42 leitos.  

Leitos foram montados no espaço que abrigava o berçário – Foto: Carina Machado/Divulgação/ND

Classificada de “situação nebulosa” pelo procurador do município, Marcelo Freitas, os números do Estado divergem da prefeitura. Isso porque o Estado considera seis leitos de UTI Neonatais – que estão destinadas exclusivamente para bebês.

Todo esse equipamento da UTI Neonatal como macas, respiradores e aparelhos de monitoramento, são estritamente usados em recém-nascidos e não podem ser movimentados ou alterados. 

As outras 10 estruturas, segundo Marcelo, também não deveriam entrar na contagem, pois estão reservadas à pacientes com outras doenças, como, por exemplo, os que sofrem com problemas cardíacos ou vítimas de acidentes. 

“Parece que eles (o Estado) estão querendo divulgar que têm muitos leitos, mas para Covid-19 não tem”, frisou Marcelo.

No Hospital Ruth Cardoso, o boletim da manhã desta terça-feira (7) informa que dos 26 leitos, 19 estão sendo usados por pacientes infectados pela Covid-19. A ocupação, portanto, chegou a 73% do total. 

Habilitação 

Conforme o procurador de Balneário Camboriú, os leitos não habilitados até possuem estrutura para receber pacientes com Covid-19, mas não têm autorização. O valor pago pelo Estado para cada tipo de leito também é diferente e o Estado não pode enviar pacientes com o vírus para leitos sem habilitação. 

Os leitos não habilitados até podem vir a somar no combate ao coronavírus, mas será necessária a regulamentação, segundo o procurador.

“Entendo que, talvez, eles [Estado] estejam fazendo uma conta de que, na pior hipóteses, nós temos essa quantidade de leitos”, comentou Marcelo. 

Outra unidade com diferença

Na região Foz do Rio Itajaí (Balneário Camboriú, Camboriú, Itajaí, Navegantes e Penha), também está o Hospital e Maternidade Marieta Konder Bornhaunsen. Segundo a administração da unidade que fica em Itajaí, há 50 leitos disponíveis para casos de coronavírus. Nesta terça-feira, a capacidade chegou a 76% com ao menos 38 leitos ocupados. 

No portal do Estado, a informação é de há 85 leitos disponíveis na unidade, sendo 10 na ala neonatal. Os outros 10 que fechariam a conta não são especificados. Com 35 leitos a mais, a conta da SES (Secretaria de Estado de Saúde) aumenta a capacidade do hospital em 70% . 

A direção do hospital foi questionada sobre a discrepância nos números e confirmou que apenas 50 leitos estão habilitados para pacientes de coronavírus. “As demais informações devem ser obtidas com o Governo do Estado”, informou a nota enviada no início desta terça-feira (7). 

Internação pediátrica e neonatal

Na mesma região, o Estado dispõe do Hospital Infantil Pequeno Anjo, com 14 leitos ativos para pediatria como referência para tratar Covid-19. Procurada, a direção da unidade informou que “apenas seis estão habilitados para receber pacientes com Covid-19”. Os outros oito estão reservados para outras doenças. 

Até a manhã desta terça não havia nenhuma internação relacionada ao coronavírus. 

Segundo o governo do Estado, dos mais de 33.8 mil infectados pelo vírus em Santa Catarina, apenas 2,4 mil têm até 19 anos. Não há dados sobre a faixa-etária dos internados, mas 92% dos pacientes com Covid-19 que precisaram ou não de internação tem 20 anos ou mais. 

Ocupação

A ocupação dos leitos adultos habilitados para Covid-19 é de 75% na região. Como não há crianças ou bebês internados, leitos de pediatria e neonatal estão com 100% de desocupação. 

No boletim enviado na noite de segunda-feira (6), a SES informou que a região tinha taxa de ocupação de 70%. Os 141 leitos considerados na conta do Estado somam adultos, pediátricos, UTI neonatal, habilitados e não habilitados para pacientes de Covid-19. 

Contraponto

A Secretaria de Estado da Saúde explicou os dados sobre leitos de UTI divulgados são  gerais e englobam todos os leitos ativos contabilizados, uma vez que hospitais como o Ruth Cardoso atendem diversas comorbidades.

A contabilização de leitos de UTI Covid pelo Estado funciona da seguinte forma: todos os leitos de UTI para pacientes de coronavírus são contabilizados como leitos de UTI Covid.

“Todas as faixas etárias têm casos e precisam ser tratadas separadamente. As informações adicionais que não estiverem no boletim enviado podem ser conferidas detalhadamente no site da transparência do Coronavírus, inclusive com as separações indagadas – neonatal, pediátrico e adulto”, informou a SES por meio de nota.

As informações estão na página: coronavirus.sc.gov.br. Todas as informações podem ser coletadas com mecanismos de busca.

+

Saúde