Moacir Pereira

Noticias, comentários e análises sobre política, economia, arte e cultura de Santa Catarina com o melhor comentarista politico de Santa Catarina. Fundador do Curso de Jornalismo da UFSC, da Academia Catarinense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, é autor de 53 livros publicados.


População desobedece prefeitos e governadores e desmoraliza isolamento

Micro e médios empresários questionam medidas rigorosas

As cenas registradas durante o feriadão em várias cidades do litoral brasileiro desmoralizaram os atos de prefeitos e governadores sobre isolamento.  O povo partiu para a desobediência, inconformado com decisões políticas nem sempre alicerçadas em estudos cientificos.

Se as praias superlotadas, com multidões aglomeradas, não resultarem em crescimento vertiginoso de contaminados, as medidas restritivas perderam o sentido. Os ajuntamentos vão se multiplicar.

Os tais comitês de crise estão decidindo há seis meses sem qualquer transparência, como já destacaram promotores de Justiça. É um abre-fecha que poucos entendem. E o resultado, por desinformação ou por contestação,  está nas festas clandestinas e nas aglomerações escancaradas.

Ninguém consegue entender como é possível proibir caminhadas nas praias ou avenidas, se a medicina recomenda ar puro. Impossível explicar por que, adotados os protocolos higiênicos, os bares e restaurantes tem que funcionar com lotação mínima. Pior: por que os hotéis, que tiveram um prejuízo milionário, só podem receber 50% da lotação, se os quartos e apartamentos com casais e famílias são isolamentos perfeitos?

Outra questão que os prefeitos da Grande Florianópolis não respondem:  “Por que razão não atendem pedido da Abrasel-SC para liberação de mesas e cadeiras nas áreas externas de bares e restaurantes?”

Em todos os centros históricos das cidades, na beira de rios, lagoas e praias, os ambientes mais agradáveis de convivência são os restaurantes e bares ali instalados.  Em Florianópolis, São José, Biguaçu e Pahoça, banhados pelo mar, proíbe-se ou se burocratiza o acesso público.

Medidas que, se aplicadas, reduziriam os incalculáveis prejuízos dos empresários e resultariam em mais emprego, imposto e renda.

*

+

Moacir Pereira