João Paulo Messer

messer@ndtv.com.br Política, economia, bastidores e tudo que envolve o cotidiano e impacta na vida do cidadão de Criciúma e região.


População procura mais as vacinas quando as notícias vê outros adoecer ou morrer

Autoridades de Saúde na cidade de Criciúma, no Sul de SC, estão partindo para um alerta mais intenso afim de melhorar o índice de vacinados

è consenso entre as autoridades de saúde que a procura pelas vacinas só ocorre em grau satisfatório quando existem ameaças mais graves e com fatos constatados de um maior número de pessoas doentes ou até óbitos. Este assunto foi amplamente discutido nos bastidores das campanhas de vacina em Criciúma, no Sul de SC. Tudo porque a procura por vacinas contra gripe e sarampo segue baixa.

A vacinação é feita em todas as unidades de saúde do município. – Foto: VacinasA vacinação é feita em todas as unidades de saúde do município. – Foto: Vacinas

Segundo os dados mais atuais da Secretaria de Saúde do município, as taxas globais de cobertura vacinal, em relação ao público-alvo, para a gripe e o sarampo, são de 31,27% e 40,3%, respectivamente. A pasta reforça que a vacinação é a principal forma de prevenção contra as doenças.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza e Sarampo iniciou no dia 4 de abril. A expectativa era de uma adesão maior por parte da população, mas as taxas estão abaixo do que já deveriam estar nessa altura da campanha. A meta de imunização é de 95% do público-alvo para sarampo e 90% para influenza.

A Campanha Nacional encerra no dia 3 de junho, e não há previsão de prorrogação até o momento. Por tudo isso já decidiram que mesmo após a data limite, a vacina contra a influenza ficará disponível para a população em geral.

O sarampo pode ser definido como uma doença infecciosa aguda, transmissível e extremamente contagiosa, podendo evoluir com complicações e óbito, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. A transmissão ocorre por meio de secreções respiratórias. Desde de 2018 o Brasil vem registrando surtos de sarampo e, desde 2019, a doença voltou a ser endêmica, o que levou à perda do certificado de país livre do sarampo.

A vacina contra o sarampo protege também contra a caxumba e a rubéola (tríplice viral). O público-alvo da vacina são crianças de 6 meses a menores de 5 anos, além de trabalhadores da área da saúde.

Loading...