Prefeito de Itajaí lamenta críticas e deboches sobre ozonioterapia retal

Morastoni ficou entre os assuntos mais comentados da internet, após sugerir o tratamento para combater à Covid-19

O prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, se pronunciou nesta terça-feira (04), à noite, sobre a polêmica gerada após sugerir ozonioterapia retal no combate à Covid-19. No vídeo divulgado na sua rede social pessoal, o prefeito lamentou as piadas e críticas recebidas, após o anúncio do método de tratamento.

Morastoni ressaltou que se trata de estudo médico voluntário. Segundo ele, apenas pacientes que preencherem os requisitos necessários e assinarem um termo de consentimento, farão parte dessa proposta médica.

Sobre a ozonioterapia

Vi a grande repercussão que teve a live do município onde falei sobre a ozonioterapia. Mas quero deixar claro que o assunto é sério. Vivemos um momento grave para a saúde pública. Estamos em meio à maior pandemia da história da humanidade, lutando contra um vírus diferente de tudo que conhecemos. Um vírus que já vitimou mais de 100 itajaienses. Como prefeito, e como médico, tenho o dever de buscar novas abordagens, novas soluções para vencer essa guerra contra o coronavírus. E a ozonioterapia tem mostrado bons resultados em vários países, como Itália e Espanha. Entendo que há falta de informação sobre o assunto, e que é preciso esclarecer melhor a população. É isso que busco fazer neste vídeo. Confira:

Publicado por Volnei Morastoni em Terça-feira, 4 de agosto de 2020

A Prefeitura de Itajaí aderiu a um protocolo de pesquisa científica, já aprovado pelo Conselho Nacional de Ética e Pesquisa, do Ministério da Saúde, para avaliar o estudo. No vídeo, o prefeito Morastoni explicou, que há décadas a ozonioterapia é usada no mundo, para o tratamento de inúmeras doenças.

“Não imaginei que oferecer esse novo tratamento para combater o coronavírus fosse criar uma repercussão tão grande, com tantas piadas, meme e manchetes sensacionalistas”, lamentou Morastoni.

Citou também como exemplos, China, Espanha e Itália, como países que já estudam a eficácia do método para fortalecer a imunidade e respectivamente combater à Covid-19. 

+

Saúde