Prefeitura de Florianópolis alerta para a importância da vacinação contra a gripe

Até o momento, apenas cerca de metade dos profissionais de saúde e apenas 8% da população com comorbidades tomaram a dose para a imunização contra a influenza na Capital

O inverno começou na última segunda-feira (21) com baixas temperaturas em Florianópolis e em todo o Estado, que devem se manter nos próximos dias, segundo a previsão meteorológica. Na estação mais fria do ano, é comum o aumento no número de casos de problemas respiratórios.

A vacinação contra a gripe é essencial para reforçaras defesa do organismo contra o vírus – Foto: Cristiano Andujar/PMF/Divulgação/NDA vacinação contra a gripe é essencial para reforçaras defesa do organismo contra o vírus – Foto: Cristiano Andujar/PMF/Divulgação/ND

A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que, todos os anos, a gripe cause comprometimento grave em 3,5 milhões de pessoas. Crianças, idosos, portadores de doença pulmonar, cardiopatas e imunocomprometidos são os mais afetados.

A vacinação contra a gripe é essencial para reforçaras defesa do organismo contra o vírus. Em tempos de pandemia, como a de Covid-19 que enfrentamos hoje, é ainda mais essencial receber a imunização, alertam especialistas. Uma campanha como a de prevenção contra a gripe não somente diminui a incidência de casos de Influenza, como também facilita o diagnóstico preciso para o coronavírus.

Apesar da importância desta proteção, em Florianópolis, até o momento, apenas metade dos profissionais de saúde e apenas 8% da população com comorbidades tomaram a vacina contra a gripe.

A Prefeitura da Capital, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, reforça a importância da imunização para os grupos prioritários e destaca que o público elencado para a imunização contra a Influenza pode se vacinar procurando os centros de saúde do município.

Os contatos das unidades de saúde para informações sobre a imunização contra a gripe estão disponíveis no link: https://sus.floripa.br/contatoscs/

A vacinação contra a influenza previne complicações decorrentes da doença, óbitos e sobrecarga sobre os serviços de saúde, além de reduzir sintomas que podem ser confundidos com os da Covid-19.

Outro fator importante é que, com a imunização, são evitadas potenciais idas aos hospitais e centros de saúde, que atualmente já estão mais sobrecarregados por conta da pandemia.  Neste ano, a iniciativa começou no dia 12 de abril, em todo o país e, na Capital, para crianças de 6 meses a menores de 6 anos, além de gestantes e puérperas de até 45 dias após o parto.

 Importância da prevenção

Ana Cristina Vidor, gerente de Vigilância Epidemiológica de Florianópolis, alerta que a coinfecção pela influenza e Covid-19 aumenta os riscos de complicações de ambas as enfermidades no organismo.

“Ainda é alta a circulação do coronavírus na cidade e região e, apesar do avanço na vacinação contra a Covid-19, além de manter todas as medidas de prevenção como o uso de máscaras, álcool gel, distanciamento e outras, é fundamental que as pessoas recebam a vacina contra a influenza, que é uma proteção a mais”, explica.

Segundo a médica, a meta é imunizar pelo menos 90% dos grupos prioritários. “a baixa cobertura da vacinação em crianças é preocupante e muito arriscado, pois a influenza é um vírus que atinge mais as crianças do que o coronavírus, apesar de termos crianças internadas e que morreram em decorrência da Covid-19, historicamente, o vírus da gripe afeta mais os dois extremos nas idades, as crianças e os idosos. Por isso, é muito importante que os pais e responsáveis levem os pequenos para serem imunizados”, afirma.

A vacina contra a influenza está disponível à comunidade em todos os centros e unidades básicas de saúde de Florianópolis, hoje, para crianças de seis meses a menos de 6 anos e puérperas até 45 dias após o parto.

Ana Cristina Vidor alerta ainda que quem tomou a vacina contra a Covid-19 deve esperar pelo menos 15 dias para tomar a vacina contra a gripe. “A pessoa pode tomar a dose no intervalo entre as duas doses, por exemplo, no caso de quem tomou o imunizante da Astrazeneca, desde que o intervalo entre a dose das vacinas da Covid e de influenza respeite o intervalo de 15 dias”, afirma.

A Prefeitura da Capital, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, reforça a importância da imunização para os grupos prioritários – Foto: Cristiano Andujar/PMF/Divulgação/NDA Prefeitura da Capital, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, reforça a importância da imunização para os grupos prioritários – Foto: Cristiano Andujar/PMF/Divulgação/ND

Campanha nacional

A 23° Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou no dia 12 de abril, com público-alvo estimado em 79,7 milhões de brasileiros. O Ministério da Saúde confirmou as diretrizes da Campanha com envio do Informe Técnico aos Estados e Distrito Federal. A campanha vai até o dia 9 de julho.

O Ministério da Saúde ressalta a importância da vacinação contra a influenza em 2021. A imunização vai prevenir o surgimento de complicações decorrentes da doença, óbitos, internações e a sobrecarga nos serviços de saúde, além de reduzir os sintomas que podem ser confundidos com os da Covid-19.

A pasta vai distribuir 80 milhões de doses da vacina influenza trivalente, produzida pelo Instituto Butantan, para imunização do público-alvo.

Grupos prioritários

Nesta campanha, serão imunizadas crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas, povos indígenas, trabalhadores da saúde, idosos com 60 anos ou mais, professores das escolas públicas e privadas, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, pessoas com deficiência permanente, forças de segurança e salvamento, forças armadas, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

A vacinação será feita de forma escalonada – os grupos prioritários serão distribuídos em três etapas. Os municípios têm autonomia para definir as datas de mobilização (Dia D), conforme a realidade de cada região.

Conforme determina a Lei Municipal nº 10.199, de 27 de março de 2017, a Prefeitura Municipal de Florianópolis informa que a produção deste conteúdo não teve custo, e sua veiculação custou R$2.000,00 reais neste portal.

+

Prefeitura de Florianópolis

Loading...