Prefeitura de Florianópolis endurece regras no combate ao coronavírus

Shoppings e academias voltam a fechar, enquanto bares, restaurantes e padarias terão restrições e máscara será obrigatória em toda a cidade

Depois de uma longa tarde de reuniões com equipes técnicas do município e prefeitos da região, o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), decidiu endurecer as regras de funcionamento para bares e restaurantes na Capital catarinense.

Flexibilização do isolamento pode dar falsa sensação de segurança – Foto: Arquivo/Flavio Tin/NDFlexibilização do isolamento pode dar falsa sensação de segurança – Foto: Arquivo/Flavio Tin/ND

Além disso, shoppings, academias e galerias voltarão a fechar as portas e o uso de máscaras será obrigatório em toda a cidade, com multas que podem chegar a R$ 2,5 mil.

Segundo a prefeitura, as novas determinações começam a valer a partir desta quarta-feira (24), com reavaliações a cada 14 dias.

Com a medida, restaurantes só poderão funcionar das 11 h às 15 h durante os dias da semana. No período noturno e finais de semana, estão liberados apenas entrega e busca no balcão.

Já os bares e lanchonetes poderão permanecer abertos até às 18 h. Durante a noite e nos fins de semana, está autorizada somente a entrega e busca no balcão.

Não haverá mudanças no transporte coletivo, já que por enquanto o resultado dos três primeiros dias de operação foi considerado satisfatório. Porém, a manutenção do serviço depende do bom uso da população.

Quebra do isolamento

As restrições foram anunciadas após um final de semana de praias lotadas na Ilha de Santa Catarina, inclusive com pessoas sem uso de máscaras e em um momento que coincide com o crescimento no número de casos, internações e mortes por Covid-19 na cidade.

Em seu perfil no Twitter, o prefeito justificou o recuo na liberação das atividades. “Os números que temos hoje, contratamos há 14 dias. Os números daqui a 14 dias, vamos contratar hoje. Escolhemos contratar segurança e controle. Não é uma questão de “se fecha ou não”, era uma questão de quando
fechar. Escolhemos fechar agora, enquanto temos algum controle”, afirmou.

Loureiro disse ainda que sabe que a medida vai desagradar muitas pessoas, mas que não colocará a vida dos habitantes em risco. “Eu dei um tempo de popularidade e estou dando mais valor para a credibilidade. Eu não vou colocar em risco 500 mil habitantes por medo de pressões”.

“Algumas pessoas se acostumaram a ver ações depois da coisa “descambar”. Eu não vou pagar pra ver”, acrescentou.

De acordo com o Covidômetro da Prefeitura de Florianópolis – painel que mostra a situação da pandemia na cidade, a Capital conta com 1.318 casos confirmados, 12 óbitos, 11 pacientes em UTI e 63 leitos de UTI livres (para adultos, no SUS, na Grande Florianópolis). O nível de risco do covidômetro passou de moderado para alto.

Mais restrições

Outros serviços também foram afetados com as novas medidas de enfrentamento à pandemia. Confira abaixo:

  • Padarias – somente serviço de retirada, sem consumo no local
  • Supermercados – capacidade máxima reduzida para 30% de ocupação, com proibição de promotores de
    produtos.
  • Academias comerciais e não comerciais, shopping center e galerias – fechados
  • Áreas de lazer/Beira-Mar Norte/Beira-Mar Continental/Ponte Hercílio Luz: somente dias de semana
  • Serviço público não essencial: apenas teletrabalho no âmbito municipal, estadual e federal
  • Arenas de esportes e quadras esportivas comerciais e não comerciais: fechadas
  • Praias: somente para esporte aquático e pesca. Proibida a permanência na areia
  • Máscaras: passam a ser obrigatórias em todo o território de Florianópolis. As multas por descumprimento passam de R$ 125 para R$ 1.250 para pessoas físicas e R$ 2.500 para estabelecimentos.

+ Saúde