Primeiro lote de IFA para vacina Oxford deve chegar sábado

Voo com o ingrediente farmacêutico ativo para a produção do imunizante deve pousar no Rio de Janeiro, às 17h50, deste sábado (6); Fiocruz fará a formulação e envase das doses

O primeiro lote de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para a produção da vacina Oxford/AstraZeneca no Brasil foi liberado por autoridades chinesas e deve chegar ao Rio de Janeiro no próximo sábado (6). A informação é da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que fará a formulação e o envase das doses.

IFA foi produzido na China pelo laboratório Wuxi Biologics que desenvolveu a vacina com  Universidade de Oxford – Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil/NDIFA foi produzido na China pelo laboratório Wuxi Biologics que desenvolveu a vacina com  Universidade de Oxford – Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil/ND

O voo com o IFA está previsto para decolar de Xangai, às 7h35 desta sexta-feira (5) no horário local, o que equivale às 20h35 desta quarta (4) no horário de Brasília. O avião deve pousar no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, às 17h50 de sábado.

O ingrediente farmacêutico ativo foi produzido na China pelo laboratório Wuxi Biologics, contratado pela farmacêutica AstraZeneca, que desenvolveu a vacina em parceria com a Universidade de Oxford.

O primeiro lote do IFA já estava pronto desde o mês passado e aguardava licença de exportação e a conclusão de procedimentos alfandegários para que o envio pudesse ocorrer.

O governo brasileiro assinou um acordo com a farmacêutica europeia e a universidade britânica para que a vacina pudesse ser produzida no Brasil, no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio Manguinhos/Fiocruz).

Inicialmente, o Brasil vai produzir a vacina com IFA importado da China, porém, o acordo também prevê transferência de tecnologia para nacionalizar a produção do insumo, o que deve ocorrer no segundo semestre.

A Fiocruz espera o envio de 14 remessas de IFA ao longo do primeiro semestre, cada uma delas com insumo suficiente para produzir 7,5 milhões de doses. As primeiras duas remessas deveriam ter chegado em janeiro, e o contrato prevê que a fundação receba o suficiente para produzir 100,4 milhões de doses até julho.

Após a nacionalização do IFA, a Fiocruz poderá produzir mais 110 milhões de doses, chegando a 210,4 milhões de doses até o fim de 2021.

A vacina Oxford/AstraZeneca já está sendo aplicada no Brasil devido à importação de 2 milhões de doses prontas, que foram produzidas pelo Instituto Serum, parceiro dos desenvolvedores do imunizante na Índia.

+

Saúde