Karina Manarin

Com foco em notícias de política, o blog traz todos os dias também as informações do cotidiano e que interferem diretamente na vida das pessoas de todo o Sul Catarinense.


Vereadores do Sul interessados em produto que combate Covid-19 através da vaporização

Produto é utilizado no Japão e foi apresentado por empresários e cientistas para vereadores e Secretário de Saúde de Criciúma

Os vereadores de Criciúma conheceram hoje em reunião com empresários e cientistas japoneses produto que através da vaporização é utilizado naquele país no combate ao coronavírus. A afirmação é do distribuidor geral da Zenphar AS, André Yada.

O país é o único utilizando este método. O produto é colocado em ambientes onde as pessoas podem permanecer e inibe a proliferação do vírus.

Produto foi apresentado a vereadores de Criciúma – Foto: Fabrício JuniorProduto foi apresentado a vereadores de Criciúma – Foto: Fabrício Junior

“Nós recebemos a informação do cientista André Yada que tem um produto utilizado no Japão com a eficiência de aproximadamente 98% no combate à Covid-19, em forma de odorizador de ar. Como se trata de uma universidade de lá que já certificou o produto, convidamos algumas autoridades para esclarecer as dúvidas, destacou Arleu. O próximo passo é buscar a liberação de órgãos regulatórios como a  Anvisa para utilização do produto no Brasil.

Natural de Brusque, Yada disse durante a reunião que apresentou a ferramenta à Embaixada Brasileira no Japão em março de 2020 e que o produto já existe há 15 anos, combatendo outros tipos de vírus. 

O encontro aconteceu no Plenário da Câmara  sob o comando do presidente da Casa, Arleu da Silveira, do PSDB, e contou com a participação do vereadores Jefferson Monteiro, do PSL, Giovana Mondardo, do PCdoB, Júlio Kaminski, do PSL e Obadias Benones do Avante. 

A reunião contou ainda com a presença do secretário de Saúde, Acélio Casagrande; do médico do município, Doutor Ricardo Furtado; da coordenadora da Assistência Farmacêutica, da Prefeitura de Criciúma, Quéli Seifert; e do diretor de Pesquisa e Pós-graduação da Unesc, Oscar Montedo.