Rancho Queimado vira referência no combate à Covid-19

Desde o início da pandemia a prefeitura decidiu oferecer tratamentos de graça para combater a doença já nos primeiros sintomas

A cidade de Rancho Queimado, na Grande Florianópolis, se tornou um exemplo para o país em relação ao tratamento precoce contra a Covid-19.

Desde o início da pandemia, no ano passado, a prefeitura decidiu oferecer tratamentos de graça para combater a doença já nos primeiros sintomas.

Rancho Queimado, na Grande Florianópolis, se tornou referência no tratamento precoce contra a Covid-19 – Foto: Katiane Regina/Divulgação/NDRancho Queimado, na Grande Florianópolis, se tornou referência no tratamento precoce contra a Covid-19 – Foto: Katiane Regina/Divulgação/ND

A aposentada Rosemeri Sell Marquis teve Covid-19 em novembro de 2020. Nos primeiros sintomas, ela recebeu o “kit Covid” e não precisou ser internada.

Agora, ela procurou atendimento de novo porque começou a sentir alguns sintomas. A enfermeira fez o teste rápido, que deu negativo. Na sequência, Rosemeri foi para o médico, que avaliou os sintomas.

Aposentada Rosemeri Sell procurou o Posto de Saúde após sentir alguns sintomas – Foto: Reprodução/NDTVAposentada Rosemeri Sell procurou o Posto de Saúde após sentir alguns sintomas – Foto: Reprodução/NDTV

“Ela está voltando hoje aqui com alguns sintomas que ela achou característicos da época que ela teve a doença. Fizemos o teste rápido e deu negativo. Como não mandamos ninguém para casa sem nenhum tipo de proteção, ela está indo com a Ivermectina receitada, que é um tipo já de proteção”, diz Armando Tarantto, clínico geral.

Rosemeri recebe o medicamento Ivermectina na hora e de graça. “Para o nosso município, isso é excelente. O doutor Armando é uma ferramenta excelente, e a nossa prefeita eu só tenho a elogiar”, diz a paciente.

Estratégia preventiva

Desde março de 2020 a Prefeitura de Rancho Queimado começou a discutir qual seria a melhor maneira de tratar os pacientes, já que pouco se sabia sobre a doença.

“Era uma grande preocupação no momento, e nós tínhamos que dar uma possibilidade ao nosso povo de Rancho Queimado”, diz a prefeita Cleci Aparecida Veroneze.

Armando Tarantto conta que assim que surgiu o vírus na China, ele começou a estudar os tipos de tratamento. Ele percebeu que a doença tinha uma primeira fase viral, em que o vírus se multiplica no organismo nos primeiros cinco dias.

Clínico geral Armando Tarantto foi criticado pelo protocolo – Foto: Reprodução/NDTVClínico geral Armando Tarantto foi criticado pelo protocolo – Foto: Reprodução/NDTV

“Eu fui até a prefeita, estudei, e levei pra ela um protocolo que eu achava viável para combater a doença. Ele inclui a ivermectina, hidroxicloroquina e azitromicina. E para complementar o tratamento um corticóide, quando necessário, além de alguns antitrombóticos, que a gente sabe que podem haver inflamações dentro do vaso sanguíneo na segunda fase da doença.”

E o protocolo apresentado por Armando foi aprovado pela Câmara de Vereadores.

Armando Tarantto explica que o kit de medicamentos oferecidos pela prefeitura varia de acordo com o paciente. Mas de modo geral, para os primeiros sintomas, o morador de Rancho Queimado recebe a hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina.

Unidade de Saúde de Rancho Queimado – Foto: Reprodução/NDTVUnidade de Saúde de Rancho Queimado – Foto: Reprodução/NDTV

A primeira medida foi deixar a unidade de saúde para o atendimento normal da população. Os pacientes com Covid-19 seriam atendidos em outro local.

O Centro de Atendimento Covid-19 começou a atender a população ainda em abril do ano passado.

Prefeitura enfrentou críticas ao tratamento precoce

A prefeitura afirma que o tratamento precoce evitou qualquer colapso na saúde, e que o custo com os remédios foi de R$ 47 mil. Bem menos do que gastaria com respiradores.

“Fomos bastante criticados no momento, principalmente pela parte da saúde. Mas a gente enfrentou porque precisa ter o querer político, administrativo, e o querer da parte da saúde. Então precisou passar por alguns convencimentos para que a gente pudesse implementar esse tratamento no nosso município”, diz.

“Hoje ainda é muito questionado, mas nós temos a ciência do dia a dia que deu certo”, relata a prefeita.

O último levantamento mostra que a cidade de Rancho Queimado tem 337 casos confirmados de Covid-19 e 298 pessoas foram curadas.

Existem 37 casos ativos sendo monitorados em casa, e foram registradas duas mortes, sendo que uma não teve a confirmação de Covid-19.

Pressão contra o tratamento

Armando Tarantto diz que sofreu críticas e até pressões por ter adotado o tratamento precoce.

“Existe um lado da imprensa que combatia. ‘O senhor está maluco, falando algo que não tem comprovação, está correndo um risco de ser processado’. Eu respondi que estou consciente porque estou falando com meu paciente, estou evitando que eles fiquem esperando por uma UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) como está acontecendo agora.”

O médico afirma ainda que o lockdown adotado em várias cidades não funciona. “Não é a solução. Está provado, o lockdown traz problemas tanto para o comércio, para a indústria, e sociais inclusive. Sou contra.”

Para a prefeita de Rancho Queimado, a decisão de aplicar o tratamento precoce contra a Covid-19 acabou virando exemplo para todo o Brasil.

“Muitos municípios estão nos procurando. Estamos disponibilizando nosso protocolo de tratamento precoce para aqueles que também queiram aderir”.

Confira na íntegra a reportagem do Balanço Geral, da NDTV:

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Saúde

Loading...