Respiradores da WEG entregues a hospital de Balneário Camboriú apresentam defeitos

Com o problema no funcionamento, seis leitos ainda não foram ativados e ocupação está próxima da ocupação total no Hospital Ruth Cardoso

Os seis respiradores, produzidos pela empresa catarinense WEG, e entregues ao Hospital Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, apresentaram problemas no funcionamento. A direção já solicitou, nesta sexta-feira (3), a substituição deles para a secretaria municipal de Saúde.

Unidade hospitalar vai receber um novo lote de seis respiradores – Foto: Secom/Divulgação/ND

Em ofício encaminhado à secretaria de Saúde, a direção da unidade hospitalar confirma a devolução dos seis equipamentos – também chamados de ventiladores, cujo modelo é o WL3 – e explica que, diante da ausência de previsão de conserto ou substituição, não tem condições de abrir novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Em ofício, direção do Hospital Ruth Cardoso confirma os defeitos nos respiradores – Foto: Reprodução/ND

Segundo a assessoria da secretaria de Saúde, técnicos da empresa constataram que tratava-se de uma falha na parte eletrônica dos respiradores. No entanto, não conseguiram identificar ao certo o defeito.

Ainda de acordo com a secretaria, os respiradores serão substituídos – sem custo para o hospital.

Leia também:

Os leitos que seriam assistidos pelos respiradores defeituosos ainda seriam ativados. De acordo com a secretaria, nenhum paciente ficou sem respirador.

Contudo, há somente 20 leitos especiais para atender pessoas contaminadas com Covid-19 em Balneário Camboriú. Destes, 18 estavam ocupados na noite desta sexta, o que significa que a oferta de leitos dedicados está próxima da ocupação total.

Equipamentos foram substituídos

De acordo com informações do Governo do Estado, a empresa WEG prontamente recolheu os equipamentos e a Secretaria de Estado da Saúde encaminhou outros seis respiradores para o Hospital Ruth Cardoso nesta sexta-feira (3).

Entre os 260 ventiladores já entregues em unidades de todo o estado, esses foram os únicos que necessitaram substituição.

Em nota, a WEG informou que recebeu a informação de que ventiladores pulmonares modelo WL3 teriam apresentado problemas durante a realização de alguns testes.

“Prontamente, a companhia enviou técnicos ao Hospital de modo a prestar todo apoio e assistência para atender à resolução dos problemas alegados.”, explicou a empresa.

+

Saúde