Saiba qual é o queridinho da vez para ter a pele viçosa neste verão

 Bioestimuladores de colágeno são os aliados de quem quer combater a flacidez e buscar o rejuvenescimento

Bioestimuladores de colágeno para combater flacidez – Foto: Divulgação

A poucos meses do verão, quando naturalmente as pessoas se expõem mais e também gostam de realçar a beleza, este pode ser um ótimo momento para tratar a flacidez da pele, quando há aquela insatisfação com as marcas que a idade traz.

Entre as técnicas queridinhas do momento, estão os bioestimuladores de colágeno, que proporcionam uma pele viçosa e com menos flacidez.

“Além de trazer de volta a rigidez, o brilho e a textura na medida certa para a pele, e essa é a promessa que os bioestimuladores trazem. Os ativos estimulam a produção de colágeno, de maneira gradual e progressiva”, explica Dra. Isabela Ricci, que trabalha com Harmonização Orofacial.

Como é este tratamento?

Neste tratamento, são injetadas substâncias específicas (como a hidroxiapatita de cálcio ou o ácido poli-L-lático) em pontos como rosto, pescoço e colo e demais regiões. Uma análise cuidadosa com o profissional de sua confiança é necessária para decidir como será o procedimento.

Explica a Dra. Isabela que essas substâncias são biocompatíveis e reabsorvíveis, de forma que induzem a pele, de qualquer idade, a fabricar mais colágeno.

“O efeito não é instantâneo – após um ou dois meses da aplicação, é que a fabricação de colágeno passa a acontecer, fazendo com que a pele se revitalize e melhore a flacidez e rugas”, esclarece a profissional.

Segundo a Dra, os benefícios são graduais e duradouros. “O resultado completo, dependendo do número de sessões, pode demorar até seis meses, mas a espera compensa”, garante.

Diferença entre bioestimulação e preenchimento

A bioestimulação faz com que o corpo produza colágeno para, naturalmente, melhorar a textura da pele. Por isso, cada sessão leva um mês para mostrar resultados.

O preenchimento, não, pois ele preenche o local de um sulco ou uma ruga e também pode dar mais volume à região. O efeito deste é mais rápido se comparado à bioestimulação.

A técnica não é indicada para quem apresenta inflamações na pele, como herpes, acne ou outras doenças. Nesses casos, é preciso cuidar da inflamação antes de optar pela bioestimulação.

Ficou com alguma dúvida?

Entre em contato com a Dra. Isabela Ricci AQUI.

Dra. Isabela Ricci, Harmonização Orofacial e Odontologia – CRO 17087

+

Saúde Mais